Protesto ocorreu no final da tarde desta terça-feira no KM 25 da RS 240, onde o Governo anunciou a instalação de uma praça de pedágio - Crédito: Guilherme Baptista/FN

Um grande número de pessoas participou da manifestação contra a instalação de uma praça de pedágio no quilômetro 25 da RS 240, em Capela de Santana, no final da tarde desta terça-feira, dia 6. Mesmo em tempos de pandemia, quando é solicitado o distanciamento e evitar aglomerações, os capelenses compareceram em grande número para atender a convocação das lideranças locais, alegando que o pedágio trará grandes prejuízos ao município e a região.

População se concentrou na margem da rodovia, no KM 25, justamente onde o governo anunciou o pedágio
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

Os manifestantes se concentraram na margem da rodovia, na localidade de Divisa, próximo das antenas e junto de um caminhão de som. A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) controlou o trânsito. Com cartazes, adesivos e lideranças, entre as quais prefeito, vice e vereadores, se revezando ao microfone, todos se posicionaram contra a implantação do pedágio naquele local. A rodovia foi interrompida por poucos minutos, no final do protesto, para o registro de imagens. Mesmo assim, em razão do trânsito intenso naquele horário, chegou a gerar congestionamento, mas logo o tráfego começou a fluir normalmente.

Lideranças se revezaram ao microfone num caminhão de som
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

O prefeito da Capela, José Alfredo Machado (PP), entende que o pedágio traria um prejuízo incalculável para o município. “Vai prejudicar 177 famílias, de agricultores, que precisam se deslocar para a sede do município, e o escoamento da produção. E também pacientes e trabalhadores que precisam ir para Montenegro. Vamos ficar isolados”, protesta.

O vereador e ex-deputado estadual Paulo Azeredo (PDT), de Montenegro, lembrou que o Governo do Estado anunciou inicialmente o pedágio para a localidade de Muda Boi, no quilômetro 12,6 da RSC 287, em Montenegro. “Lutamos para que o pedágio fosse além do Muda Boi para não prejudicar a localidade, como a Vila do Adão, onde moram 150 famílias. Que fosse mais para o lado da BR 386 e não para a Capela. Vão prejudicar o povo de Capela e também de Montenegro”, protesta.  “E vão cobrar duplamente, nos dois sentidos, sem direito a isenção dos moradores locais”, completa.

Várias pessoas seguravam cartazes contra o pedágio
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

Outro vereador de Montenegro presente, Felipe Kinn Menezes (MDB), também se manifestou contra a instalação do pedágio, tanto na Capela como em Montenegro. “O fluxo maior é em direção ao Vale do Sinos. Vai prejudicar todo mundo”, considera. “Lamentavelmente levam para a questão política. Mas estamos juntos na luta para que o pedágio não se instale aqui”, completa.

Mesmo com o grande número de pessoas, o trânsito fluiu normalmente, só sendo interrompido por poucos minutos
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

Também foi lançado um abaixo-assinado contra a instalação do pedágio em Capela de Santana. No documento, o prefeito José Alfredo Machado, vice-prefeito Pedro Odone Rodrigues da Silva e os nove vereadores, juntamente com a comunidade capelense, solicitam ao governador Eduardo Leite e ao secretário estadual de logística e transportes, Juvir Costella, a não instalação da praça de pedágio no município.

 

Pedágio mudou de local

Ao anunciar a desativação da praça de Rincão do Cascalho (Portão), dentro do processo de concessão de rodovias, o Governo do Estado informou inicialmente que teriam novos pedágios no quilômetro 22,5 da RS 122 (altura do bairro Bela Vista em Bom Princípio) e no quilômetro 12,6 da RSC 287 (localidade de Muda Boi em Montenegro). Só que na última semana o Governo divulgou uma mudança, informando que tinha ocorrido um erro na apresentação das novas praças e que na verdade o novo pedágio não seria em Montenegro e sim no quilômetro 25 da RS 240, que fica em Capela de Santana.

Pedágio no Portão deve ser desativado e dividido em praças na RS 122 em Bom Princípio e na RS 240 em Capela de Santana
– Crédito: Jefferson Bernardes/Agencia Preview/EGR

Ao contrário do atual pedágio de Portão, que é público e administrado pela EGR, as novas praças terão cobrança nos dois sentidos e sem direito a isenções para moradores locais. No caso do pedágio em Capela, a tarifa máxima será de R$ 6,96 e mínima de R$ 5,22, mas deverá ter descontos entre 5% e 20% para usuários mais freqüentes.

A princípio está mantido o pedágio no quilômetro 22,5 da RS 122, em Bom Princípio, perto da ponte sobre o rio Caí, com tarifa máxima de R$ 9,43 e mínima de R$ 7,07.

O Governo vai realizar audiências públicas, de forma online, quando os usuários poderão dar sugestões e fazer questionamentos sobre as concessões das rodovias estaduais e as novas praças de pedágio. No caso das rodovias que cortam o Vale do Caí, como a RS 122, ERS 240, RSC 287 e ERS 446, todas estão no bloco 3, que terá a audiência pública pela internet no dia 15 de julho, uma quinta-feira, entre 14h e 17h. Manifestações também podem ocorrer pela consulta pública por e-mail.

Para a manhã desta quarta-feira, dia 7, a partir das 9h, foi marcada uma nova reunião regional no campus da UCS, em São Sebastião do Caí, com a presença de prefeitos e lideranças do Vale do Caí, para tratar sobre a mudança da praça de pedágio do Portão e instalação de novas na RS 122 e RS 240. O encontro deverá ter a presença do secretário estadual de Parcerias do Estado, Leonardo Busatto, que está coordenando o processo de concessões de rodovias estaduais e instalação das novas praças de pedágio.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here