O Grupo Cahyense, segundo o autor da magnífica obra A Eléctrica e os Discos Gaúchos, Hardy Vedana, fez bem mais do que uma centena de gravações na gravadora Eléctrica Reprodução/Internet

Foi em Porto Alegre, no ano de 1913, que funcionou a quarta fábrica de discos musicais do mundo. Antes havia uma nos Estados Unidos, outra na Alemanha e uma no Rio de Janeiro. Mesmo na grande metrópole do continente, Buenos Aires, não havia a fabricação de discos fonográficos.

O seu proprietário foi um imigrante italiano chamado Savério Leonetti, que havia se instalado com comércio na cidade em 1908 e logo obteve sucesso com a veda de gramofones, discos e outras novidades importadas da Europa e Estados Unidos. A loja foi um sucesso e animou o empresário a empreender a grande proeza de abrir, em Porto Alegre, uma das primeiras fábricas de discos fonográficos do mundo. Foi também um sucesso. E, por vários anos ali se fabricaram muitos discos, inclusive os de grandes nomes do tango argentino. Já que naquele país não havia empresa capaz de prensar os discos dos artistas locais.

Pelo menos 4.500 gravações foram realizadas nos estúdios da empresa, que se chamava Casa A Eléctrica. Muitos músicos tiveram emprego ali, integrando bandas e orquestras que faziam as gravações instrumentais ou faziam acompanhamento para gravações de cantores. E, entre estes músicos, um dos que mais se destacou foi Miguelino Silveira. Além de instrumentista e maestro, ele foi compositor de músicas que fizeram sucesso nas gravações da Casa A Eléctrica. Ele viveu no Caí e a sua banda, chamada Grupo Cahyense, foi uma das maiores atrações da gravadora de Porto Alegre, competindo apenas com o Grupo Hamburguez (de Novo Hamburgo). O Grupo Cahyense, segundo o autor da magnífica obra A Eléctrica e os Discos Gaúchos, Hardy Vedana, fez bem mais do que uma centena de gravações na gravadora de Leonetti.

É na obra de Vedana que nos baseamos para contar a história do músico mais famoso que o Caí já teve.

https://fatonovo.com.br/blogs/historias-do-vale-do-cai/maestro-miguelino-silveira/

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here