A saga dos colonos pioneiros contada de uma forma viva, como nenhum outro autor conseguiu Arquivo/FN

O felizense Egídio Weissheimer é autor de um livro intitulado “Weissheimer – História de uma família renana de Westhofen a São Leopoldo”.

A história de sua família, que ele conta de forma admirável, é cheia de incidentes e de exemplos de superação.

Os antepassados de Egídio foram pioneiros desbravadores. E ele não é muito diferente. Enfrentou dificuldades na infância, superou-as e foi capaz – como seus antepassados – de grandes realizações.

Ele nasceu no dia 24 de outubro de 1939, no município de Pinheiro Preto, na região meio-oeste do estado de Santa Catarina. Seus pais Reynaldo e Olga Scherner Weissheimer haviam se mudado, em 1932, de Feliz para lá em busca de novas terras para cultivar. Não tiveram sorte. Em 1944 Reynaldo morreu e a família teve de retornar para Feliz.

Egídio passou a viver na casa de seu tio, o comerciante felizense Benno Weissheimer, que era solteiro. Teve a oportunidade de estudar em bons colégios na Feliz e, depois em São Leopoldo, onde formou-se no colégio Sinodal e depois na Escola Técnica de Contabilidade. Em 1963, formou-se em Ciências Contábeis, na Universidade do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Atuou como contador e como auditor, em diversas empresas e, em 1967, tornou-se Agente Fiscal de Tributos Federais. Foi professor na Escola de Administração Fazendária, do Ministério da Fazenda, e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Depois de exonerar-se do cargo de Agente Fiscal, em 1977, Egídio passou a atuar como, profissional liberal, em assessoria e auditoria fiscal para empresas.  Escreveu dezenas de livros técnicos sobre imposto de renda.

Escreveu, também, extensa obra sobre a genealogia da família Weissheimer e o livro Weissheimer – História de uma família renana de Westhofen a São Leopoldo

Obra que, ao contrário do que pode parecer, não é do interesse apenas dos membros da família Weissheimer. É, na verdade, uma das mais brilhantes exposições do modo como ocorreu a imigração alemã no Rio Grande do Sul.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here