Pedágio no KM 4 da RS 122, no Areião terá a tarifa mais alta - Crédito: Fato Novo

Incluídas no bloco 3 do plano de concessão, as principais rodovias estaduais do Vale do Caí deverão ser as primeiras a ser entregues para a iniciativa privada. O leilão está previsto já para o próximo mês.

Conforme o edital lançado em janeiro, a empresa vencedora, que passará a ser responsável pela manutenção e execução de obras na RS 122, RS 240 e RSC 287, deverá ser conhecida em 13 de abril, após a realização de leilão pelo menor preço das tarifas dos novos pedágios. Depois terá mais um mês para homologação da licitação e quatro meses para formalização da empresa.

Uma das novas praças está prevista para o KM 30 da RS 240, no Paquete, perto da divisa de Capela com Montenegro
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

A expectativa do Governo do Estado é de que até novembro a empresa vencedora do leilão já comece a fazer a gestão das rodovias do bloco 3, que prevê a instalação de duas novas praças de pedágio na região. Uma está prevista para o quilômetro 4 da RS 122, em São Sebastião do Caí, na altura da localidade do Areião, próximo da divisa com Portão. E a outra quilômetro 30 da RS 240 em Capela de Santana, na localidade de Paquete, bem perto da divisa com Montenegro.

Ao contrário do atual pedágio da EGR no Rincão (Portão), o qual deverá ser desativado, os novos pedágios terão cobrança nos dois sentidos e sem direito a isenção para moradores locais. A tarifa atual no Portão é de R$ 6,50, com cobrança num só sentido. Já os preços máximos das tarifas dos novos pedágios foram estipulados em R$ 9,95 no Caí e R$ 7,28 na Capela, o quê tem causado revolta dos prefeitos, lideranças e comunidades, que ameaçam entrar na Justiça e até construir desvios. Entretanto, como o leilão é pelo menor preço, a expectativa é de que os valores sejam menores. E que possam ser realizados investimentos necessários, como melhorias no asfalto, duplicações, trevos de acesso, passarelas, sinalização, ciclovias, vias laterais, terceiras faixas, iluminação, videomonitoramento e serviços de guincho e ambulância. Os investimentos devem ocorrer até o sétimo ano da concessão.

A localização dos pedágios ainda pode ser alterada em até cinco quilômetros pela empresa vencedora da licitação. Mas é difícil encontrar algum local que não sofra resistência dos municípios, que querem os investimentos, mas resistem à cobrança para não prejudicar os moradores. Quanto à possibilidade de isenções para moradores locais, o Governo informa que depende de projeto de lei, que tem que ser aprovado na Assembleia Legislativa. Mas aí aumentaria o custo para os demais usuários. Por enquanto só estão previstas isenções para ambulâncias e veículos oficiais. O Governo propôs descontos para usuários mais freqüentes, que passarem mais vezes nos pedágios.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here