Representante do Estado ouve índios sobre possibilidade de mudança para outro local

Profissional veio à Montenegro conhecer a realidade da tribo e discutir a realocação - Crédito: ACOM/Prefeitura

Um representante do Governo do Estado esteve nesta quinta-feira, dia 4, em Montenegro, conversando com os índios kaingangues que moram em uma área do Estado, próximo ao Parque Centenário. Moradores vizinhos pedem a saída deles, pelo que chamaram de “choque de culturas”, entre os costumes dos índios e dos vizinhos, além de reclamações quanto à higiene.

O diretor de Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Recursos Humanos, Otávio Pedeli, foi recebido pelo cacique Eliseu Claudino. De acordo com o líder, 74 índios, sendo mais de 40 crianças, vivem em 11 casas na área de quatro hectares. Os menores seguem fora da escola, mas, segundo Eliseu, educadores seriam disponibilizados pela Secretaria Estadual de Educação para o ensino de acordo com os costumes indígenas, o que ficou adiado em razão da pandemia. Outro problema social é a falta de empregos. “Nossos homens querem trabalhar, mas existe muito preconceito”, relata o cacique. Atualmente a renda dos índios vem principalmente da venda de artesanato e do trabalho na colheita da uva em cidades da Serra.

Kaingangs estão no bairro Centenário desde o final de 2018 e construíram casas de madeira
– Arquivo/FN

Otávio perguntou qual a posição dos índios quanto a realocá-los em uma nova área, no bairro Zootecnia. O cacique explicou que a oferta pode ser aceita, mediante alguns detalhes como a preocupação com a reconstrução das casas onde vivem hoje, feitas de madeira. Inicialmente, os índios haviam dito que aguardariam uma posição do Estado até 27 de fevereiro, quando devem começar as aulas, mas Otávio explicou que o prazo precisa ser maior em função da demora nos processos burocráticos. Agora, o diretor vai se reunir com outros setores do Estado para definir qual exatamente será a área ofertada para os índios e avançar no diálogo com o cacique para encontrar uma solução definitiva que agrade a todas as partes envolvidas.

Tanto a área onde estão os índios desde 2018, no bairro Centenário, como a que surgiu como alternativa no bairro Zootecnia, no Centro de Treinamento de Agricultores de Montenegro (CETAM), pertencem ao Governo do Estado. Recentemente o prefeito Gustavo Zanatta foi procurado por um grupo de moradores, vizinhos da aldeia, que pediram a remoção dos índios. Zanatta esteve no assentamento e prometeu ser mediador da possível mudança, desde que não venham mais famílias para Montenegro, o dificultaria o atendimento nas áreas de saúde e social. Um dos problemas é a falta de banheiros, já que estão sendo utilizados da obra da EMEI Centenário, creche que está tendo a sua obra retomada.

0 Comentários

Deixe um Comentário

1 × 1 =

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password

Você não pode copiar o conteúdo desta página