Pessoas necessitadas podem procurar a Secretaria de Habitação para receber doações - Crédito: ACOM/Prefeitura

Para atender às famílias carentes que sofrem com as baixas temperaturas do rigoroso inverno do Rio Grande do Sul, a Prefeitura Municipal de Montenegro criou o projeto “Cabide Solidário”. Trata-se de um espaço, localizado dentro da sede da Secretaria Municipal de Habitação, Desenvolvimento Social e Cidadania (SMHAD), destinado à doação de roupas aos mais necessitados da cidade.

Foram organizadas quatro salas com roupas, calçados, cobertores e toalhas, disponíveis para a doação, na Secretaria da Habitação
– Crédito: ACOM/Prefeitura

São quatro salas, com roupas, calçados, cobertores e toalhas que estão disponíveis para doação. É como uma espécie de loja, com cabides e expositores com roupas para todos os tipos e tamanhos de pessoas. “A pessoa vem até aqui, escolhe e pode levar para casa sem pagar nada”, explica o secretário Luis Fernando Ferreira. Segundo ele, não há necessidade de cadastro para fazer a retirada das doações. A iniciativa só pode ser desenvolvida pelo sucesso da Campanha do Agasalho 2021, que aconteceu no mês passado. “A comunidade montenegrina foi muito solidária em todas as ações que realizamos”, conta Ferreira.

Quem estiver precisando pode procurar a Secretaria de Habitação e no local também podem ser feitas doações
– Crédito: ACOM/Prefeitura

Mesmo sem estar cadastrado, o cidadão ou a cidadã podem ir até a sede da SMHAD, nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 9h às 11h e das 14h às 16h, para fazer a retirada das roupas. É importante saber que há um limite de 10 peças por pessoa. Como o frio segue intenso em todo o Estado, o “Cabide Solidário” ficará à disposição nos meses de julho e agosto. “Contamos com o bom senso da comunidade para que só quem realmente precise venha buscar os agasalhos”, destaca o secretário. Quem chega até o local conta com um espaço adequado, com área para experimentar roupas e calçados. Estão disponíveis sapatos infantis, masculinos e femininos, roupas de bebê, de crianças, homens e mulheres, roupas de cama, cobertores e toalhas de banho.

Segundo a gerente do “Cabide Solidário”, Raquel Teixeira Hermes, o movimento dentro do espaço é intenso. Em apenas uma manhã, cerca de 20 pessoas foram atendidas no local. Ela relata que, em relação às roupas, apenas agasalhos são disponibilizados. A observância dos protocolos sanitários de combate à Covid-19 é rigorosa.

A dinâmica da doação
A SMHAD recebe diariamente doações no local. Quem tiver roupas, cobertores e sapatos para doar pode ir até a sede da Secretaria, na Apolinário de Moraes, 1.705, e fazer a entrega. Ao chegar, as roupas são lavadas antes de irem para os expositores. As que chegam com algum tipo de problema, a Secretaria procura encaminhar para costureiras da cidade que se dispõem a fazer a revitalização das peças de forma voluntária.
Além disso, a SMHAD está atrás, junto com uma Organização Não Governamental (ONG) de Caxias do Sul, de uma nova parceria para transformar os jeans, que não estão adequados para doação, em mochilas e bolsas. Segundo Ferreira, é importante frisar que a população, ao doar, precisa ter a ideia de que não é uma ação de descarte de roupas. “Os mais humildes têm o direito de receber uma roupa em boas condições para se aquecer no frio”, enfatiza.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here