Representantes da Prefeitura, Emater e Conselho de Desenvolvimento Rural estiveram reunidos com produtores hoje na Estação da Cultura - Crédito: Prefeitura de Montenegro

Na manhã desta quarta-feira, dia 26, membros da Prefeitura de Montenegro se reuniram com representantes de entidades ligadas ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural e com produtores locais para tratar de um tema que tem preocupado muito neste início de ano: a estiagem. O encontro aconteceu na Estação da Cultura e debateu as ações do Município para minimizar os dados causados pela falta de chuva, os dados preocupantes sobre o problema e outras medidas e demandas oriundas dos próprios produtores.

Segundo dados da Emater de Montenegro, o prejuízo nas plantações de milho pode chegar a até 70% na safra 2021/2022. Quando se fala em citros, a perda é estimada em 30%. “A chuva que caiu serviu somente para verdejar as gramas e as produções, mas o problema segue e pode piorar se a seca persistir”, enfatizou, na reunião, o chefe do escritório da Emater de Montenegro, Everaldo Vinício da Silva. O município, inclusive, decretou situação de emergência por causa da estiagem. Everaldo também explicou que desde a estiagem de 2019 não houve uma recuperação total das produções devido a antigas estiagens, ou seja, a situação atual é agravada com esse déficit.

A reunião, coordenada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural (SMDR) e Defesa Civil, também mostrou as ações do executivo para uma minimização dos problemas. De acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Ernesto Kasper, a disponibilização de máquinas para abertura de açudes em propriedades rurais e o fornecimento de água, por meio de caminhão pipa, são ações que já estão acontecendo. Já a Defesa Civil, coordenada por Carlos Roberto Ferrão Martins, busca, junto ao batalhão de suprimentos do Exército, equipamentos e veículos para auxiliar na logística de transporte de maquinário para o interior.

“Estamos vivendo uma situação séria”, alertou Ferrão. Durante o restante da reunião, os participantes também debateram estratégias, junto com os produtores, para coibir os fortes efeitos da falta de chuva. Uma delas se refere ao planejamento. Segundo o secretário da SMDR, Ernesto Kasper, é preciso ter um planejamento a longo prazo para que haja uma prevenção a esses momentos de seca. “Estamos sofrendo as consequências das poucas ações de planejamento de futuro, tanto de quem atua na produção, como os agricultores, quanto dos órgãos competentes”, salienta.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here