Jair Baumgratz, Régis Fritzen e Leomar Willrich foram os primeiros prefeitos de São Vendelino Reprodução/Internet

O caso de sucesso ocorrido em São Vendelino é digno de ser estudado por todos os administradores públicos municipais. Mas cabe a pergunta: O que aconteceu de tão extraordinário neste município para que um desenvolvimento de tal magnitude lá acontecesse num espaço de tempo tão curto. Este estudo é muito importante porque, se a mesma fórmula puder ser utilizada nos demais municípios brasileiros (e mundiais) isto poderia levar o país e o mundo a resolver todos os seus problemas relacionados ao subdesenvolvimento. Eliminaria-se a pobreza no país e no planeta.

É importante, portanto, descobrir qual foi a causa de tal sucesso? A leitura do livro até aqui já deve ter permitido ao leitor obter a resposta para tal questão. Mas cabe ainda desenvolver alguns raciocínios a respeito do assunto. E também fornecer ao leitor algumas informações adicionais que irão lhe dar novos subsídios para que tire as suas conclusões.
Poderia se dizer que o extraordinários sucesso de São Vendelino se deveu à qualidade do seu povo. Como se viu no estudo histórico que aqui apresentamos, a população local é constituída por descendentes de imigrantes alemães vindos em meados do século XIX.

Este, sem dúvida, foi um fator positivo. Não, é claro, por ser o alemão um povo intrinsecamente superior, mas pelo fato de que os imigrantes vieram para cá carregando uma bagagem cultural elevada. Eles tinham um grau de educação muito superior, tanto em relação ao silvícola local quanto ao elemento luso que habitava a maior parte do Rio Grande do Sul. Entretanto, esta bagagem cultural, embora importante, não foi fundamental para o desencadeamento do fenômeno de desenvolvimento que se verificou em São Vendelino. Tanto que o processo que aqui estudamos não se verificou com os imigrantes logo depois de chegarem, mas apenas com seus descendentes, mais de um século depois.

Outro fator que favoreceu o desenvolvimento do município foi o fluxo de recursos proporcionado pelo Fundo de Participação dos Municípios. O valor que o Governo Federal distribui para todos os municípios brasileiros obedece a um critério que beneficia os municípios muito pequenos. Ocorre que todos os municípios com população até 10.000 habitantes recebem o mesmo valor proveniente do FPM. O vizinho município de Bom Princípio, por exemplo, apesar de ter uma população cinco vezes maior do que São Vendelino, recebe tanto recurso desta origem quanto São Vendelino. E, naturalmente, um município mais populoso precisaria de mais recursos, pois tem maior número de pessoas a atender dando-lhes educação, saúde etc. Este fator foi benéfico, sem dúvida, mas também não é a causa fundamental do sucesso do município. Tanto que existem inúmeros outros municípios brasileiros gozando desta mesma vantagem mas que não conseguiram se desenvolver satisfatoriamente.

Poderíamos lembrar ainda que São Vendelino encontrou um obstáculo inicial para o seu desenvolvimento no fato de não contar com uma bom meio de transporte para escoar a sua produção e que hoje conta com uma boa estrada asfaltada que o coloca próximo dos principais centros econômicos do estado. Mas este fator, embora favorável, também não foi decisivo. Tanto que a estrada foi asfaltada em 1973 e quinze anos depois disto, quando ocorreu a emancipação de São Vendelino, o município ainda era muito pobre.

É evidente que o notável progresso de São Vendelino ocorreu depois da sua emancipação e que este fato político teve grande relevância para o desenvolvimento local. A maioria dos municípios prosperam depois da sua emancipação. A partir do momento que o município se governa tem grande oportunidade de encaminhar-se para o progresso. Contanto, é claro, que ele saiba bem governar-se. Existem muitos casos de municípios, inclusive pequenos e colonizados por descendentes de imigrantes europeus, que não se desenvolveram.

Razões do desenvolvimento

A explicação para o desenvolvimento observado em São Vendelino está, claramente, na qualidade da sua administração municipal. Os três prefeitos que governaram o município até aqui souberam formular e implementar um projeto de desenvolvimento correto e que foi levado adiante com persistência e maestria. Foram administradores competentes. E assim como o progresso de uma empresa depende da capacidade dos seus administradores, o mesmo acontece com os municípios.

E é significativo observar que um destes três prefeitos está demonstrando a sua extraordinária capacidade como administrador também fora da prefeitura. Trata-se de Jair Baumgratz, que desempenhou um papel particularmente decisivo no sucesso da prefeitura de São Vendelino por haver sido o primeiro prefeito e o principal formulador do modelo administrativo que foi seguido pelos demais.

Quando Jair Baumgratz encerrou o seu mandato como prefeito, em dezembro de 1992, sua empresa ainda era pequena. Tanto que ele aceitou, inclusive, uma proposta do deputado Hilário Braun e foi trabalhar com em Brasília como seu chefe de gabinete. Gostou da experiência, diz que aprendeu muito, mas voltou para a atividade empresarial oito meses depois.

Ao reassumir suas atividades de empresário, Jair continuou a desenvolver, juntamente com o sócio Carlos Fritzen, o negócio de atelier, prestando serviços a importantes indústrias de calçados gaúchas. De lá para cá, a empresa, que se chama Thaibé Indústria e Comércio de Calçados Ltda se desenvolveu muito, mantendo sempre a posição de maior empresa de São Vendelino. Mais do que isto, o atelier desenvolvido por Jair e seu sócio Carlos Fritzen serviu de modelo para outras empresas do ramo que se desenvolveram também no município e hoje constituem um poderoso complexo empresarial que gera muitos recursos para São Vendelino. As demais empresas do ramo de atelier surgidas em São Vendelino seguiram os métodos operacionais e administrativos criados na Thaibé. Desta forma, Jair – com o seu talento administrativo – deu importante contribuição para o desenvolvimento desta atividade industrial como um todo, no município.

Além disto ele criou também uma fábrica de calçados, a Savenfe Indústria e Comércio de Calçados Ltda, que produz sandálias exportadas para os Estados Unidos.

As cinco maiores empresas vendelinenses são ateliers e a sua atividade gera um extraordinário benefício para as receitas municipais. Como já foi explicado, as costureiras (e costureiros) que trabalham para os ateliers fazem o seu trabalho nas suas casas. E a quase totalidade delas não residem no município de São Vendelino, pois os vendelinenses contam hoje com opções melhores de trabalho. Os ateliers locais levam o serviço para as costureiras em dezenas de municípios, como Nova Roma do Sul, Bom Retiro, Teutônia e Fagundes Varela, situados a até 100 quilômetros de distância. O número de costureiras empregadas neste trabalho é variável mas chega, em certas épocas, a 10.000 pessoas. Imagine-se como isto é bom para a economia do município. Já que a sede e a contabilidade destas empresas está em São Vendelino, em termos fiscais é como se a cidade tivesse um conjunto de indústrias com 10.000 funcionários. E isto ocorre num município pequeno e com população em torno de 2.000 pessoas. Isto faz com que São Vendelino tenha um retorno de impostos fantástico em relação ao seu tamanho. E é por isto que quem percorre a cidade hoje já vê tudo arrumado, com ruas asfaltadas, bons prédios públicos, população saudável e educada. São Vendelino já tem hoje aspecto de primeiro mundo e é incrível que isto tenha sido conseguido num prazo tão curto (15 anos após a emancipação). Mas esta impressão positiva deverá se acentuar muito mais nos próximos anos, graças à capacidade de investimento que tem a prefeitura em consequência da pujança econômica do município.

A indústria dos ateliers é uma parte da explicação para o incrível poder de investimento da prefeitura. Mas é mais importante ainda o retorno econômico proporcionado pelos aviários, peruários e pocilgas instalados com o incentivo da administração municipal.

Ao encerrarmos a análise do fenômeno de desenvolvimento ocorrido em São Vendelino não se pode deixar de reconhecer o mérito que tiveram os prefeitos que conduziram este município até o momento. Jair Baumgratz, Régis Fritzen e Leomar Willrich foram os grandes condutores desta experiência extraordinária que pode servir de modelo para os demais municípios brasileiros. Se todos seguissem esta receita de administração, o Brasil se transformaria num país desenvolvido em poucos anos.

Mas, ao reconhecer o mérito destes três notáveis dirigentes não se pode deixar de destacar o nome de Jair Baumgratz. Além de haver sido o primeiro prefeito e principal formulador da política administrativa continuada por Régis e Leomar, ele teve o mérito adicional de criar o modelo de indústria de atelier que desenvolveu-se em São Vendelino. Modelo que fez esta atividade industrial se desenvolvesse ali de modo diferenciado, alcançando uma prosperidade não encontrada em nenhum outro lugar. Está fixado, no meio da indústria calçadista gaúcha, o conceito de que os ateliers de São Vendelino são os melhores do estado.

A experiência mundial demonstra que o regime democrático é o melhor criado até hoje. O fato dos governos democráticos serem escolhidos pelo voto popular coloca, entretanto, uma grande responsabilidade sobre os ombros dos eleitores. A experiência relatada neste livro nos mostra que um bom governo é capaz de transformar um município (e porque não um país) em curto espaço de tempo. Mas, para que este resultado seja alcançado é necessário que o governo escolhido pelo povo seja competente. É necessário, portanto, que os eleitores votem em candidatos de competência comprovada e que apresentem um bom projeto de governo.

NOTA: Texto original escrito em novembro de 2009

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here