Manolito Silveira falou sobre a internação da mãe Dulce: "a infecção é gravíssima e tem piora muito repentina"
A Prefeitura de Pareci Novo, através de Secretarias Municipais e Assessoria de Comunicação, iniciou uma série de entrevistas com moradores do município que enfrentaram a Covid-19. São histórias de sofrimento, tristeza, medo e dificuldades. Amigos, vizinhos, colegas, pessoas da comunidade, que passaram por momentos tensos e voluntariamente estão expondo suas experiências para despertar a consciência e fomentar a prevenção. Estes relatos serão publicados na página do facebook da Prefeitura de Pareci Novo (https://www.facebook.com/parecinovo) e no perfil do Instagram (@parecinovooficial).
A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, a Secretaria da Educação e a Secretaria de Saúde tiveram a ideia de juntar os depoimentos destas pessoas. Pensaram em uma estratégia para divulgar o que estava acontecendo com conhecidos. Os contatos foram passados para a Assessoria de Comunicação que entrou em contato um a um para explicar a ideia e coletar os relatos.
” Optamos por contatar por whatsapp e pedimos que as próprias pessoas entrevistadas gravassem com seus celulares, pois partimos do princípio que o distanciamento social não pode ser só da lente da câmera para frente. Não seria prudente aglomerar a equipe de filmagem com os participantes. Então, para os mais idosos, ou que apresentam alguma dificuldade técnica para execução dos vídeos, nós contatamos remotamente e fazemos a gravação. Algumas entrevistas foram feitas na forma de texto escrito,” comenta Daniel Vercelhese, assessor de comunicação de Pareci Novo.
A Covid-19 é coisa séria, precisamos nos unir para a prevenção

 

Manolito Silveira teve a mãe internada por complicações do Covid-19
– Reprodução/FN
Um dos primeiros relatos é de Manolito Silveira, que teve a mãe Dulce Margarida da Silveira, internada, enfrentando diversas complicações, mas que felizmente se recuperou.
– Quando pegou a doença, quais foram os sintomas?
Manolito: Uma leve dor de garganta, sintomas muito parecidos com uma gripe.
– Você tem ideia de que forma contraíram o vírus?
Acreditamos que em razão do uso inadequado da máscara no trabalho.
– Quando você sentiu necessidade de procurar a ajuda médica para sua mãe?
Começamos a fazer o tratamento assim que ela testou positivo. O tratamento não foi suficiente e os sintomas foram evoluindo para febre alta e baixa saturação sem a percepção de falta de ar. A saturação apresentava queda repentina sem que a mãe percebesse. A febre era persistente. No sexto dia da infecção ela internou. No dia da internação já tinha 30% do pulmão comprometido.
Durante a internação a doença se agravou muito. Quando teve alta hospitalar, o exame da raio X apresentou deficiência de 60% do pulmão.
– Como foi o período de sintomas e tratamento médico?
Dores, dificuldades respiratórias, isolamento e tratamento dos familiares e outras pessoas.
Iniciou com tratamento conservador, através do Posto de Saúde. Ela passou a ter dificuldade respiratória, cansaço e muitas dores musculares. Os familiares ficaram totalmente isolados, mantendo o menor contato possível, restringindo o mesmo ao contato para ministrar os remédios.
– Qual a mensagem que você pode passar para as pessoas que estão passando por isso?
Devemos buscar tratamento médico desde o primeiro sintoma, não permitindo que a doença se agrave. O agravamento é muito rápido, e se não estivermos cientes da gravidade da doença, pode não dar tempo de buscar ajuda. O monitoramento da saturação deve ser constante e, mesmo não percebendo sintomas físicos, caso apresente diminuição da saturação deve-se procurar ajuda médica.
– Qual o recado quer deixar para a população? De que forma as pessoas podem se prevenir?
O melhor forma de se prevenir da doença é ser prudente. A infecção é gravíssima e tem piora muito repentina. O uso adequado da máscara e a higienização das mãos e dos ambientes é essencial para evitar o contágio.
Crédito: Prefeitura de Pareci Novo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here