Após cinco furtos de fios, faz mais de um ano que Escola Estadual Paulo Ribeiro Campos não tem luz e 600 alunos não podem ter aulas presenciais - Crédito: Guilherme Baptista/FN

A falta de energia elétrica na Escola Estadual Dr. Paulo Ribeiro Campos, o Polivalente, no bairro Tanac, em Montenegro,q resultou numa ação junto ao Ministério Público. O vereador Talis Ferreira (PP), acompanhado do diretor do colégio, Luís Carlos Hummes, procuraram a Promotoria de Justiça na última sexta-feira, 1º de outubro, onde protocolaram um pedido de providências. “Faz mais de um ano que os alunos, professores e pais estão lutando pela volta da luz”, recorda Talis. A escola foi alvo de pelo menos cinco furtos de fios em cerca de um ano, o último ocorrido em janeiro deste ano, que deixou o Polivalente completamente sem energia. E com isso os alunos ainda não puderam ter aulas presenciais, sendo possível apenas o ensino virtual (internet).

Diretor da escola, Luís Carlos Hummes, e o vereador Talis Ferreira, apelaram para a Promotoria de Justiça
– Reprodução/FN

Nos últimos dias o vereador Talis esteve na Secretaria Estadual de Educação (Seduc), acompanhado do deputado estadual Sérgio Turra (PP). Foi alegado um problema jurídico e ainda não se tem previsão para o início dos trabalhos. Foram disponibilizados 64 mil reais pelo Governo para a substituição da rede de energia, mas até o momento nada foi feito e não foi dada nenhuma previsão de solução. E por isso a decisão por apelar para o Ministério Público. “São só promessas”, lamentam Talis e Luis Carlos. “Pedimos ao Ministério Público que acione o Governo do Estado para que se resolva pela Justiça”, afirma Talis. “Os alunos não agüentam mais só ficar em casa pelo ensino remoto. É uma indignação total. Uma escola deste tamanho não pode estar nesta situação”, protesta, lamentando o prejuízo para mais de 600 estudantes, no ensino fundamental e médio.

Polivalente foi alvo de cinco furtos de fios em um ano
– Crédito: Polivalente

Além da fiação elétrica, é necessário segurança para impedir novos furtos. Até 2018 m policial militar da reserva morava em uma casa no pátio do colégio, o que garantia mais segurança. O Governo promete contratar uma empresa de vigilância 24 horas. Também seria importante o funcionamento de câmeras de vigilância.

O caso ganhou repercussão estadual. Na última semana uma equipe da RBS TV esteve gravando reportagem na escola e a matéria deve ir ao ar no início desta semana.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here