Câmara de Montenegro tem investigação sobre denúncia de diploma falso e registro na Delegacia por invasão de sala

Plenário da Câmara estava lotado na quinta-feira, mas a noite não foi só de homenagens

A semana foi de assuntos polêmicos na Câmara de Vereadores de Montenegro.

Uma das questões foi a determinação de que fosse apurada uma denúncia sobre o possível uso de comprovante de escolaridade falso de Ensino Médio para a ocupação do cargo de secretário geral, que tem o mais alto salário no legislativo. O presidente em exercício, vereador Sérgio Souza (MDB), determinou que fosse investigado sobre a veracidade ou não do histórico escolar. E adiantou, que caso não seja verdadeiro, o ex-funcionário terá de devolver os salários que recebeu nos três meses deste ano, além de ser registrado o caso na Delegacia de Polícia.

O ex-secretário, Odirlei Casagrande, pediu exoneração na noite da última terça-feira, dia 16. “Ele alegou que foi por motivos particulares”, diz Sérgio. “Pedi para a Câmara fazer o rastreamento integral do documento do antigo servidor”, declarou Sérgio. Odirlei confirmou que pediu exoneração. “Só não é pelo que estão postando”, declarou. “Em momento oportuno será esclarecido”, completou.

Não é a primeira vez que ocorre uma denúncia sobre documento falso na Câmara de Montenegro. Em 2017 ocorreu o mesmo para o reenchimento de vaga no cargo de assessor especial, que requeria curso superior. O funcionário não chegou a ser nomeado e foi feito registro na Delegacia de Polícia, que investigou o caso.

Na sexta-feira retornou o presidente da Câmara, Valdeci Alves de Castro (Republicanos), que estava afastado com atestado de saúde. Em nota, lamentou descontentamento com comentários maldosos a respeito de seu estado de saúde. Destacou que, apesar da saúde frágil, nunca se ausentou ou utilizou desculpas para com suas responsabilidades legislativas. Sobre as críticas, Valdeci salientou que, embora respeite as opiniões e manifestações, ressaltou que é importante não ultrapassar os limites constitucionais do debate democrático. Em relação à exoneração solicitada por um ex-secretário, declarada como particular, confirmou que está em andamento uma investigação interna sobre possíveis irregularidades de documento.

Registro na Delegacia por invasão de sala

Na última quinta-feira, dia 18, o vereador Sérgio Souza diz que registrou na Delegacia de Polícia que houve invasão da sala de reuniões, a qual estaria sendo ocupada para reunião sem a devida autorização e não tendo sido feito requerimento, entendendo que estava sendo infringindo o regimento interno.

Estava inicialmente prevista uma reunião pela manhã com recicladores, sobre dificuldades de utilização de triciclo com carrocinhas que receberam da Prefeitura. Como o encontro foi solicitado pelo vereador Valdeci, que estava afastado por problema de saúde, a reunião foi cancelada. Entretanto o vereador Paulo Azeredo (PSDB) diz não ter sido avisado do cancelamento e os recicladores e outras pessoas chegaram a ocupar a sala de reuniões;

Na parte da noite de quinta-feira o plenário da Câmara ficou completamente lotado, já que tinha homenagem aos 160 anos da Comunidade Luterana em sessão solene. Depois, na sessão ordinária, algumas pessoas seguravam cartazes pedindo concurso já e também tinha homenagem ao médico Jacob Kirjener, com a presença de muitos familiares no plenário e aprovação de seu nome para a Rua B do Loteamento Jardim Ibiá, no bairro Olaria. Entre os vereadores Sérgio Souza e Paulo Azeredo também houve discussão sobre a denúncia de suposta invasão da sala de reuniões.

0 Comentários

Deixe um Comentário

13 − 4 =

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password

Você não pode copiar o conteúdo desta página