Concentração de caminhoneiros ocorre desde o início da manhã e manifestantes dizem que vai durar pelo menos 72 horas - Crédito: Guilherme Baptista/FN

Desde o início da manhã do feriado da Independência, 7 de setembro, ocorrem nesta terça-feira manifestações em várias partes do país. No Vale do Caí estão acontecendo algumas concentrações de caminhoneiros em rodovias, inclusive com bloqueios.

Caminhões são abordados na rótula do cruzamento da RS 240 com a RS 124 (acesso ao Pareci), só passando com carga viva e produtos perecíveis
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

A maior concentração acontece em Montenegro junto da rótula da antiga fábrica da Antarctica, no cruzamento da RS 240 com a RS 124 (acesso a Pareci Novo). No local foram montadas tendas no canteiro central, além de colocadas faixas e bandeiras. Estão sendo atacados caminhões e os veículos de carga são estacionados junto a um posto de combustíveis. “Vamos ficar aqui até que resolvam lá em Brasília. Se não resolverem nada em 72 horas vamos intensificar o movimento”, diz Luciano Fortes, um dos líderes do protesto. Ele diz que passam carga viva e de produtos perecíveis, além de ração, remédios e carga perigosa. “O resto fica com nós. Se não resolver nada vamos segurar todas as cargas e parar geral”, completa. Questionado sobre as reivindicações, disse: “impeachment do STF e urnas auditáveis (voto impresso)”.

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e a Brigada Militar monitoram as movimentação que ocorre sob muita chuva. Através de negociação, a reportagem acompanhou quando vários caminhões frigoríficos que transportavam carne foram liberados a deixarem o local. Alguns caminhoneiros, que não concordam com o bloqueio, reclamaram do impedimento de trabalhar. “Fui abordado e impedido violentamente, com pedaços de pau e pedra, ameaçando quebrar o caminhão e que se não parasse iriam me matar. Iam me quebrar a pau”, protestou, enquanto aguardava na cabine da carreta por mais de duas horas. “Tenho que ir para Bossoroca e não querem me deixar sair. Preciso seguir viagem para garantir meu emprego”, completa. Lideranças do movimento dos caminhoneiros que participam do protesto negam que tenham ocorrido ameaças.

Caminhões também se concentraram na margem da RSC 287 no bairro Santo Antônio, mas sem bloqueio da rodovia
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

Outra concentração de caminhões ocorre na RSC 287, próximo da loja Taqi, na entrada do bairro Santo Antônio. No local caminhões e tratores estão estacionados na margem da rodovia, mas não havia bloqueio no trânsito hoje pela manhã.

Conforme a Polícia Rodoviária Estadual de Bom Princípio, em sua área de abrangência, que inclui rodovias como a RS 122 e RS 452, não há bloqueios ou manifestações.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Montenegro, que na região é responsável pela BR 386 e BR 470, informou que nenhum bloqueio viário tem amparo legal. Nos trechos do Vale do Caí não estavam ocorrendo protestos nas rodovias federais, mas manifestações foram registradas em trechos próximos, como nos municípios de Tabaí e Nova Santa Rita.

Em Montenegro também estava previsto para hoje um ato na Pracinha dos Ferroviários, numa manifestação contra a privatização de empresas estatais e em defesa de plebiscito. Na ocasião seria lançada a consulta popular sobre as privatizações, que está prevista para entre 16 e 23 de outubro, através da internet. Mas devido a chuva o ato, que previa a distribuição de panfletos, acabou sendo cancelado.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here