O Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese) avalia a situação socioeconômica dos municípios gaúchos quanto à educação, renda e saúde. É um indicador importante para saber a situação e o grau de desenvolvimento de cada município. No caso da nossa região, entre as vinte cidades integrantes da Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (Amvarc), novamente Tupandi figura na primeira colocação e está em 29º no ranking estadual. Destaque ainda para Barão, que obteve o maior crescimento, pulando da sexta para a segunda posição na tabela. São Vendelino também deu um salto, de 9º para o 4º lugar. Montenegro foi outro que subiu, pois era o 12º em 2019 e agora figura no 9º lugar na região. Harmonia, que era o segundo no ano passado, agora aparece em terceiro. São Sebastião do Caí novamente não aparece bem, se mantendo na 17ª colocação, a mesma do ano passado, entre os vinte municípios do Vale do Caí. Pior ainda são os desempenhos de Brochier e Capela de Santana, que seguem nas últimas colocações.

Tupandi é destaque principalmente na renda, tendo a terceira melhor média do Estado, entre 497 municípios, o que mostra a sua boa situação econômica e da população. Na saúde também tem um bom índice, mas aparece em 9º lugar na região. O que mais chama a atenção é o baixo índice de Tupandi na educação, só ficando na frente de Capela entre os vinte municípios do Vale do Caí. Na educação, aliás, o melhor da região é São Vendelino. E na saúde o primeiro colocado na região é Alto Feliz.

Na educação, o principal desempenho comparativo é o ensino infantil, através das taxas de matrículas do censo escolar confrontadas com as estimativas da população entre 4 e 5 anos de idade. Também são analisados o ensino fundamental e médio.

Já a renda procura refletir tanto a produção realizada pelo município quanto a sua apropriação pelas famílias domiciliadas.

E quanto à saúde são analisados itens materno-infantil, condições gerais e longevidade.

Situação do Estado

Os resultados do estudo foram divulgados nesta última semana pela Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), por meio do Departamento de Economia e Estatística, com base nos anos de 2017 e 2018. A série também foi recalculada para os anos de 2013 a 2016, trazendo melhorias na qualidade dos dados utilizados para o cálculo.

Comparado com o levantamento de 2016, o Estado teve um crescimento mais significativo na área da Educação. O indicador passou de 0,715 em 2016 para 0,736 em 2018, em que se destacam a taxa de 87,6% das crianças de 4 e 5 anos matriculadas no ensino infantil e a melhoria no desempenho do Ensino Fundamental na Prova Brasil de 2017. Em segundo lugar ficou o item Renda, passando de 0,728 em 2016 para 0,740 em 2018, fazendo o Estado se aproximar do patamar do início da série, em 2013 (0,741) e recuperar as perdas econômicas verificadas entre 2014 e 2016. A Saúde ficou em terceiro, de 0,821 em 2016 para 0,825 em 2018, um patamar elevado de desenvolvimento sustentado, principalmente pela alta expectativa de vida dos gaúchos e os bons indicadores de saúde materno-infantil. Na média dos indicadores de educação, renda e saúde o Rio Grande do Sul se mantém no patamar de desenvolvimento considerado médio, com um índice total de 0,767.

Os indicadores são importantes para os prefeitos que assumem agora em 1º de janeiro. “Identificar os problemas e apontar caminhos. O Idese contribui para isso. Ter conhecimento de seus indicadores permite que se estabeleçam ações mais focadas, voltadas à melhoria das condições de vida da população”, disse Claudio Gastal, secretário da SPGG.

O estudo incluiu também os indicadores por Conselhos regionais de Desenvolvimento (Coredes), além de outras regionalizações importantes para o planejamento, como as Microrregiões do IBGE, Regiões de Saúde, Educação etc. “O Idese é um indicador sintético e como tal permite ter o diagnóstico socioeconômico de todos os municípios e regiões do Estado. É um importante instrumento para qualificar as políticas de combate às desigualdades e para promover ações de desenvolvimento”, afirmou Antonio Cargnin, subsecretário de Planejamento da SPGG.

No Rio Grande do Sul as cinco cidades com melhores índices no Idese são: Carlos Barbosa (0,885),  Água Santa (0,871), Veranópolis (0,863), Aratiba (0,858) e Guabiju (0,858).

1 COMENTÁRIO

  1. 1) O que tem Tupandi que as outras não têm?
    2) Por que SSCAI nunca consta nos primeiros lugares de qualquer pesquisa do bem que se faça?

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here