Famurs e presidentes de associações regionais participam de reunião com o Governo hoje - Crédito: Famurs

Em reunião virtual realizada no final da tarde de ontem, terça-feira, dia 21, com a participação do governador Eduardo Leite, diretoria da Famurs e presidentes de associações regionais de municípios, foi tratado sobre a possibilidade de alterações no atual modelo do sistema de distanciamento controlado, das bandeiras que buscam impedir o avanço do coronavírus. Conforme a Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), o governador propôs um sistema de coparticipação com as Prefeituras. Pela proposta, o Estado continuaria analisando os indicadores e apontamento das bandeiras, mas os municípios teriam a possibilidade de fazer ajustes dos protocolos, em âmbito regional. Num primeiro momento, segundo o presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, os presidentes de associações regionais não aceitaram a proposta do governador de transferir as definições de bandeiras aos municípios. Ele vê com preocupação a possibilidade de passar a responsabilidade para os prefeitos, entendendo que deve haver uma gestão compartilhada, visando melhorar o modelo e vencer o coronavírus.

Presidente da Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (Amvarc) e vice-presidente da Famurs, o prefeito de Harmonia, Lico Fink, considera que não é uma mudança no sistema e sim a participação dos municípios para ajudar a abrir o comércio em especial. Lico cita que o Governo do Estado deve continuar a apresentar e controlar o distanciamento controlado. “Achei a proposta muito boa, pois vem de encontro ao que a Amvarc vem defendendo há mais tempo”, avaliou.

Prefeito da maior cidade da região, que está em bandeira vermelha faz um mês, Kadu Müller, de Montenegro, entende que com o novo formato os municípios poderão ter mais liberdade e buscar uma retomada gradual do comércio e serviços, mas sem perder o controle da situação. “Vamos continuar nos reunindo para tratar do tema”, diz Kadu, que defende o formato de bandeira laranja, possibilitando a flexibilização das atividades comerciais. “Não podemos liberar tudo. É um trabalho gradativo, com o apoio da população”, considera. Kadu diz que o governador citou seis itens, entre eles de manutenção do modelo, com restrições necessárias, mas tendo autonomia para os municípios a partir de suas avaliações, através de critérios próprios das associações regionais. Também foi citado sobre tratamento precoce com medicamentos para combater sintomas do coronavírus e reduzir internações, mais a atuação da Brigada Militar e da Polícia Civil para combater as aglomerações.

Ainda não existe previsão de quando o novo formato, com mais autonomia para os municípios, deverá entrar em vigor. Por enquanto o Governo continua analisando os dados, sobre óbitos e internações por coronavírus, e apontando as bandeiras de cada uma das regiões, enquanto os municípios podem enviar recursos, que são avaliados pelo Gabinete de Crise e na segunda-feira de tarde é divulgado o mapa que passa a vigorar no dia seguinte. Atualmente nove municípios do Vale do Caí estão em bandeira vermelha. Já outro onze, que não tiveram óbitos ou internações por Covid-19 nos últimos 14 dias, podem manter os protocolos de bandeira laranja.

1 COMENTÁRIO

  1. “presidentes de associações regionais não aceitaram a proposta do governador de transferir as definições de bandeiras aos municípios”.
    Buscam autonomia para liberar geral já de olho em dizer que a culpa não é deles quando a situação sair de controle.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here