Fundarte, de Montenegro, foi indicada pela primeira vez ao Prêmio e acabou sendo a vencedora - Guilherme Baptista/FN

A Fundação Municipal de Artes de Montenegro (Fundarte) venceu a 21ª edição do Prêmio Educação RS na categoria instituições. A fundação de Montenegro concorreu com outras duas entidades.

 

O Prêmio Educação foi instituído pelo Sindicato dos Professores do Ensino Privado – Sinpro/RS, em 1998, com o objetivo estimular e valorizar profissionais, instituições e projetos comprometidos com o ensino de qualidade e com a construção da cidadania. O Prêmio se caracteriza por abranger amplamente a educação gaúcha, tanto da rede pública quanto do ensino privado, a partir de indicações espontâneas da sociedade gaúcha diretamente pela página da premiação.

Os finalistas foram avaliados pela comissão julgadora da premiação e também através de votação on-line por professores associados ao Sinpro/RS, levando em conta critérios como o compromisso com a educação de qualidade, o desenvolvimento da cidadania e o acesso ao conhecimento.

 

Segundo o diretor executivo da Fundarte, André Luís Wagner, o prêmio é um reconhecimento ao trabalho que a Fundarte vem realizando há 45 anos em prol e com a arte.

Desde a primeira edição já foram laureados 21 profissionais, 24 projetos e 21 instituições, além de menções honrosas em ocasiões especiais.

 

A cerimônia de entrega da Pena Libertária, troféu criado especialmente para a premiação, será no dia 19 de outubro em Porto Alegre, na sala de eventos da sede estadual do Sinpro/RS. 

 

Professora de Alto Feliz

 

Na categoria Profissional a vencedora do Prêmio Educação RS é uma professora aposentada, de 87 anos, de Alto Feliz. Dulce Maria Simon Ruschel é a autora do livro “Alto Feliz e os ecos de sua história”.

Professora Dulce Ruschel, de 87 anos, natural de Alto Feliz, foi a vencedora na categoria Profissional
– Prefeitura/Reprodução

 

Dona Dulce, como é conhecida em Alto Feliz, começou no magistério aos 20 anos, atuando em sala de aula, na direção escolar e na supervisão do ensino. Aposentou-se em 1982 e continuou fazendo trabalho voluntário na educação. Em 1º de dezembro do ano passado, após muitos anos de pesquisa, lançou o livro que conta com a coautoria do repórter e historiador José Carlos Flach. Uma obra que resgata a fé, o trabalho e a cultura dos imigrantes alemães e italianos, desde a sua chegada em 1846.

Deixe seu comentário