Reprodução/FN

Em todos os municípios do Vale do Caí, a partir desta segunda-feira, dia 11, será adotada a bandeira laranja, pelo novo sistema de distanciamento social controlado apresentado pelo governador Eduardo Leite. E os municípios deverão se adequar ao modelo proposto em cada uma das vinte regiões.

De acordo com a propagação do coronavírus e a ocupação dos leitos de UTIs, será divulgada a bandeira de cada região – amarela, laranja, vermelha ou preta. Por enquanto os vinte municípios do Vale do Caí, distribuídos em três agrupamentos diferentes (Região Metropolitana, Vale do Sinos e Serra), pertencem todos a bandeira laranja, que significa risco médio. Em todo o Estado apenas a região de Lajeado ficou com a bandeira vermelha e nenhuma está com a preta. Isso pode mudar a cada semana, dependendo da evolução ou regressão do vírus.

Em todos os municípios é agora obrigatório o uso de máscaras, além das medidas de distanciamento, higiene e limpeza, seguindo a orientação de procurar ficar em casa, só saindo quando necessário. O distanciamento mínimo obrigatório entre as pessoas é de 2 metros quando não tiver equipamento de proteção individual e de um metro com equipamento de proteção individual.

Crédito: Governo do Estado

As atividades econômicas foram divididas em 12 grupos. Com base na bandeira da região, é que serão definidos seus critérios de funcionamento. O monitoramento será diário, mas a atualização da bandeira de cada região ocorrerá semanalmente, divulgada sempre aos sábados e valendo para a semana seguinte. Entre as restrições estão limites de ocupação de espaços e número de trabalhadores.

É importante que todos façam a sua parte, obedecendo às medidas de prevenção, como uso de máscara, distanciamento, higiene e limpeza, procurando ficar em casa e só saindo quando necessário. Quanto menos casos e menor a ocupação de leitos, reduzem as restrições. Se diminuir os casos pode passar para a bandeira amarela, com menos restrições. Mas se piorar pode mudar para vermelha, de risco alto, ou até preta, de risco altíssimo, provocando o chamado lockdown, de bloqueio total. O importante é manter com baixos números, possibilitando boa capacidade no sistema de saúde para atendimento dos pacientes devido à baixa propagação do vírus.

O que prevê a Bandeira Laranja

Comércio

O comércio atacadista e varejista de rua não essencial, de veículos e de manutenção e reparação de veículos, podem funcionar com 50% dos trabalhadores no local ou por teletrabalho, tele-entrega ou pague e leve, de acordo com a atividade.

Centros comerciais e shoppings podem funcionar com 50% da capacidade e 50% dos trabalhadores no local ou por trabalho, tele-entrega, pegue e leve ou drime-thru. Comércio varejista de produtos alimentícios, atacadista e varejista essencial, além dos postos de combustíveis, podem funcionar com 75% dos trabalhadores no local ou por teletrabalho, tele-entrega ou pague e leve, de acordo com a atividade.

Alimentação

Restaurantes a la carte ou prato feito podem funcionar com 50% dos trabalhadores no local e atender de modo presencial ou por meio de tele-entrega ou pegue e leve. Buffet não pode. Lanchonetes e padarias podem funcionar com 50% dos trabalhadores no local e de modo presencial ou por meio de tele-entrega ou pague e leve.

Indústria

Construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços de construção, podem funcionar com 50% dos trabalhadores presenciais ou teletrabalho.

Indústria de alimentos, bebidas e de produtos farmacêuticos e farmacoquímicos podem funcionar com 100% dos trabalhadores presenciais ou teletrabalho.

Indústria de vestuário, couro e calçados, madeira, impressão e reprodução, química, borracha e plástico, metalurgia, equipamentos de informática, materiais elétricos, máquinas e implementos, produtos de metal, minerais não metálicos, veículos automotores, móveis e produtos diversos podem atuar com 75% dos trabalhadores presenciais ou por meio de teletrabalho.

Transporte coletivo

Municipal e metropolitano: 60% da capacidade total dos veículos.

Intermunicipal: 75% dos assentos.

Interestadual: 50% dos assentos.

Outros

Academias de ginástica podem funcionar com 25% dos trabalhadores no local desde que funcione com atendimento individualizado ou coabitante por ambiente, respeitando o teto de ocupação.

Cabeleireiros e barbeiros podem funcionar com 25% dos trabalhadores e com atendimento individualizado.

Missas e cultos religiosos apenas podem ocorrer com participação de 25% do total da capacidade local.

Bares, pubs, casas noturnas, cinemas e teatros não podem funcionar.

Ainda não existe uma definição com relação a volta às aulas, mas isso pode ocorrer entre maio (particulares) e junho (públicas).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here