Comerciantes temem novo fechamento dos estabelecimentos - Crédito: Guilherme Baptista/FN

Mesmo com o recurso, o Estado manteve a bandeira vermelha, de risco alto, nas regiões que tem Canoas e Novo Hamburgo como referência no sistema de distanciamento controlado. Entretanto, municípios sem registro de óbito ou internação por coronavírus nos últimos 14 dias poderão seguir protocolos anteriores, de bandeira laranja, caso o prefeito assim decida.

No Vale do Caí, Montenegro, São Sebastião do Caí, Pareci Novo, Portão e Brochier, que tiveram hospitalizações por Covid-19 nas últimas duas semanas, ingressaram ontem, terça-feira, dia 23, na bandeira vermelha. Com isso só podem funcionar atividades essenciais, causando severas restrições ao comércio e serviços. Por outro lado, entre as cidades que não tiveram hospitalizações pelo vírus nos últimos 14 dias seguem com bandeira laranja, de risco médio, como: Barão, Capela de Santana, Harmonia, Maratá, Salvador do Sul, São José do Hortêncio, São José do Sul, São Pedro da Serra e Tupandi.

Bandeira vermelha fechou lojas no centro do Caí
– Crédito: Daniel Fuchs Klein/FN

Outros seis municípios do Vale do Caí, que tem como referência Caxias do Sul, podem novamente flexibilixar o comércio e serviços em razão da redução nas internações e aumento do número de leitos na Serra. E com isso podem voltar a abrir lojas e serviços que antes estavam impedidos de funcionar, desde que obedecendo às limitações de uso de espaço, distanciamento, higiene, limpeza e o uso obrigatório de máscara. É o caso de Bom Princípio, Feliz, Vale Real, São Vendelino, Alto Feliz e Linha Nova.

Outra mudança é que missas e cultos, em cidade de bandeira vermelha, poderão receber 30 pessoas. E em academias o atendimento individualizado será liberado. Quanto a volta às aulas presenciais, deve ocorrer na segunda quinzena de julho, em etapas, mas o anúncio ainda deve acontecer pelo Estado. Em bandeira vermelha, setores da indústria poderão ampliar atividades para até 75% dos trabalhadores (limite anterior era de 50%).

Frustração e comemoração

Se por um lado houve preocupação da parte dos municípios que passam a ter mais restrições devido a bandeira vermelha, de outra parte as cidades que voltaram para a laranja comemoraram a reabertura de lojas, serviços e atividades que estavam impedidas de atuar. A preocupação com a saúde, em razão da propagação do coronavírus, está em primeiro lugar. Mas o impacto na economia também gera muita preocupação, já que pode aumentar as dificuldades financeiras nas empresas, comércio e serviços, podendo causar mais desemprego. No recurso encaminhado pela Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (Amvarc), os prefeitos, após reunião online na manhã de domingo, argumentaram que iriam procurar criar mais leitos, aumentar restrições e defenderam a criação de uma microrregião do Vale do Caí. Não adiantou. Mas para sair da bandeira vermelha ou se manter na laranja, ou até melhorar e passar para amarela, será preciso redobrar esforços. Lamentavelmente parece que houve um relaxamento da população nos últimos dias. Com a chegada do inverno, quando costumam aumentar as doenças, gripes e problemas respiratórios, as pessoas devem ter mais cuidado. Evitar aglomerações e só sair de casa quando necessário. Lamentavelmente a Brigada Militar está tendo que acabar com festas e até jogos envolvendo pessoas que desrespeitam os decretos.

O comércio e os serviços passam a ser os maiores prejudicados com a bandeira vermelha. Ontem, terça-feira, a maioria das lojas estavam fechadas, esvaziando as áreas centrais das cidades. Outras atividades, que podem funcionar com restrições, tiveram que se adequar. O prefeito do Caí, Clóvis Duarte, em entrevista coletiva ontem, destacou que vai reforçar a fiscalização para garantir o cumprimento das restrições impostas pelo decreto estadual. Isso é importante para conter o avanço do coronavírus. Ontem o Caí registrou mais seis casos confirmados e chegou a 51 positivos. Já Montenegro chegou a 126 casos confirmados ontem. Os dois municípios têm um óbito cada, causado por Covid-19. O prefeito de Montenegro, em live no facebook, lamentou que, mesmo com todo o esforço, não foi possível impedir o ingresso da bandeira vermelha. E a partir de agora é buscar reverter este quadro o mais rápido possível, voltando para bandeira laranja e até amarela, sendo que para isso espera contar com a conscientização da população. Nesta quarta-feira, 24 de junho, é feriado municipal em Montenegro, em alusão ao dia do padroeiro, São João Batista. Chegou a ser decretado ponto facultativo, para que o comércio e serviços pudessem funcionar, evitando maiores prejuízos na economia. Mas com a bandeira vermelha, só podem abrir atividades essenciais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here