População deve fazer a prevenção, evitando de deixar água parada para combater o mosquito aedes aegypti que transmite as doenças - Arquivo/FN

Os casos de dengue aumentaram sete vezes no Brasil neste ano. Até agosto o país teve 1,4 milhão de casos. No mesmo período de 2018 foram 205 mil. Um total de 591 pessoas morreram de dengue no Brasil só neste ano, enquanto em 2018 foram 160 óbitos. Também aumentaram os casos de zika e de chikungunya. Houve alta de 44% nos casos de chikungunya no país, com a confirmação de 57 mortes.

No Rio Grande do Sul o número de casos de dengue subiu de 93 no ano passado para 1.278 agora em 2019. Por isso a importância da população se mobilizar no combate ao mosquito aedes aegypti. A dengue está cada vez mais próxima. No Vale do Caí já foram registrados alguns casos. E vários municípios da região estão entre os considerados infestados pelo aedes aegypti, entre eles Barão, Capela de Santana, Maratá, Montenegro, São Sebastião do Caí, Tupandi, Bom Princípio e Feliz. Em todos foram encontradas larvas do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Casos na região

Conforme o último boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado em 31 de agosto, o Rio Grande do Sul já tem 1.278 casos confirmados de dengue.

No Vale do Caí o maior número foi em Bom Princípio, onde, conforme o informativo epidemiológico, foram registrados 8 casos autóctones, ou seja, contraídos no próprio município. Os casos em Bom Princípio foram registrados em maio. Segundo a Prefeitura, a situação foi logo controlada, com os pacientes estando bem após o devido acompanhamento médico, inclusive já tendo tido alta do hospital e ficando curadas. E uma grande mobilização foi realizada, com mutirões de limpeza e aplicação de inseticida, além da conscientização da população para atuar na prevenção ao mosquito.

Em Montenegro foram registrados dois casos de dengue no início deste ano. Os dois casos foram importados, de um casal que esteve em viagem para o Nordeste e acabou retornando com a doença, sendo devidamente tratado e já curado. Até a metade deste ano já tinham sido encontrados na cidade 166 focos do aedes aegypti.

Um caso preocupante em Capela de Santana é de que foi registrado no município o primeiro do Estado de chikungunya autóctone. Ao todo, foram registrados neste ano 10 casos da doença. E o único contraído no próprio município foi em Capela de Santana. A doença tem sintomas parecidos com a dengue e também é transmitida pelo aedes aegypti.

O importante é a prevenção e a população fazer a sua parte, evitando de deixar água parada e fazendo a limpeza de áreas como terrenos baldios, caixas de água, piscinas, não deixando lixo nos locais e qualquer objeto que possa servir de criadouro de mosquitos. Só assim mais casos serão evitados.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here