Neilor Schuster, que é irmão do padre Neimar Schuster, será vigário no Caí a partir de 11 de janeiro - Crédito: Diocese

Ser um membro engajado na comunidade de fé sempre foi algo muito incentivado na família do diácono Neilor Schuster. Foi coroinha, fez aulas de violão, participou dos grupos de jovens. “Sempre fui muito apoiado para seguir este caminho da Igreja, para ser alguém para quem a fé faz a diferença na vida da pessoa, é a solidez, traz um sentido, um norte para vida”, relata.

Ordenação aconteceu na sexta-feira em Tupandi
Crédito: Diocese

Nessa vivência, Neilor despertou a vocação sacerdotal, que após 12 anos culminou na ordenação presbiteral, que ocorreu na última sexta-feira, dia 7 de dezembro, em sua paróquia de origem, Cristo Redentor, em Tupandi. Já a primeira missa ocorreu neste domingo pela manhã na Comunidade Santo Antônio, de São Benedito, em Harmonia, sua terra natal, seguido de festejos nesta tarde na Sociedade Milionários. “Este ponto de chegada não é um ponto final, mas um ponto de partida. É um sonho que se realiza ser padre, um sonho que começa a fazer muitas outras coisas acontecerem”, afirma o jovem de 27 anos, que foi ordenado diácono em maio após viver o diaconato na comunidade de Salvador do Sul.

O diácono ingressou em 2006 no Seminário São José, em Gravataí, quando Montenegro ainda integrava a Arquidiocese de Porto Alegre. Lá cursou o Ensino Médio e, ao final do curso Propedêutico, decidiu sair do seminário. Não deixou de lado, porém, a vida em comunidade, sobretudo nos grupos de jovens da comunidade Santo Antônio, em São Benedito e, posteriormente, junto à área pastoral de Bom Princípio e à Diocese de Montenegro.

E foi nessa caminhada, sobretudo na preparação à jornada Mundial da Juventude que ocorreu no Rio de Janeiro em 2013, que Neilor foi sentindo novamente o chamado para ser padre. “No meio dos jovens, parece que Deus apontava este caminho para mim. Deus queria, estava me chamando para me colocar a caminho”, relata. E assim ele fez. Após concluir o curso de Filosofia na Unisinos, ingressou no Seminário maior São João Batista, em Viamão, em 2014 e iniciou os estudos de Teologia.

Neilor acredita que Deus tem um plano para cada pessoa, que sente o chamado. “Não é uma aparição mágica que Ele faz, mas Ele faz arder o nosso coração”, destaca o diácono, que escolheu como lema presbiteral “Põe-te a caminho” (1RS 17, 9). “Os caminhos de Deus sempre levam à felicidade. Ele quer a vida plena para mim, para todos nós”, afirma. Para o jovem, o padre é aquele que caminha junto ao povo, é um animador que ajuda, ampara, cuida e zela.

No Ano Pastoral, realizado ano passado na paróquia Três Santos Mártires das Missões, de Salvador do Sul, Neilor teve um contato ainda mais próximo com a realidade da vida como sacerdote. Para ele, essa experiência de estar próximo e se inserir na caminhada de Igreja que lá já existia foi decisiva.

Sua primeira experiência como presbítero será na paróquia São Sebastião, em São Sebastião do Caí, para onde foi nomeado vigário paroquial pelo bispo diocesano, Dom Carlos Romulo, ainda neste mês de novembro. “Me alegro desde já em começar minha caminhada como padre junto ao povo de São Sebastião do Caí, à serviço da Diocese de Montenegro, colocando minha vida à disposição, a serviço da felicidade, da vida plena para todos”, enfatiza Neilor. Neilor será apresentado na Paróquia São Sebastião, em 11 de janeiro, às 20h, quando será celebrada a sua primeira missa no Caí. Filho de Marta e do professor Ari Schuster, é irmão do também padre Neimar Schuster.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here