Produtor cultural Jacinto Klein convidou grupos culturais do Vale do Caí - Reprodução/FN

Três grupos de danças do Vale do Caí vão participar do 8º Encuentro de bailarines del Mercosur virtual 2020, da cidade de Campo Viera, no estado de Missiones, na Argentina. O evento será no próximo sábado, dia 3 de outubro, às 20 horas, com exibição em redes sociais e poderá ser assistido pelo Instagram ou pelo Facebook através do link https://www.facebook.com/Direcci%C3%B3n-de-Cultura-y-Turismo-Campo-Viera-100551191500362  na página Dirección de Cultura y Turismo, de Campo Viera.

Os grupos participantes do Vale do Caí são o CTG Rancho Feliz, de Feliz; o CTG Estância de Salvador, de Tupandi; e o TAS Studio de Dança, de São Sebastião do Caí. Cada grupo vai participar com uma dança. O convite chegou do país vizinho por intermédio da diretora de cultura de Campo Veira, Clarissa Hausher, para o produtor cultural e intercambista cultural Jacinto Klein, de Bom Princípio. Jacinto diz que encaminhou convite para vários grupos culturais da região e três foram habilitados a participar.

O evento será em formato virtual em razão da pandemia.“Fico feliz que os três grupos que se candidataram foram selecionados. Mais uma vez o Vale do Caí estará muito bem representado no exterior”, comemora Jacinto. Pessoas desses três grupos literalmente arregaçaram as mangas, ensaiaram e treinaram números especificamente para serem filmados, feitas as montagens com os dados dos dançarinos e enviarem os materiais para Jacinto que organizou tudo e enviou para a Argentina. Isso tudo obedecendo às medidas de prevenção e os protocolos sanitários. “É uma felicidade muito grande ver que a cultura não para, mesmo durante este período tão atípico que a história mundial vive. Ela continua viva, mesmo que de forma virtual, pois a arte e a cultura não podem parar. E a prova está aí: conseguimos representar o Vale do Caí com três grupos dos seis grupos do Brasil que participarão do referido evento com participação da Argentina, do Brasil e do Paraguai. Ou seja, a metade dos grupos brasileiros são aqui do Vale do Caí. Todos grupos participantes dos três países receberão certificados de participação que serão enviados via e-mail a cada um dos 13 grupos, dos quais 6 brasileiros, 5 argentinos e 2 paraguaios”, ressalta.

A coordenadora do evento cultural virtual argentino Clarissa Hausher se diz muito feliz por ter uma participação tão boa da região do Vale do Rio Caí e lista alguns motivos: a amizade que tem com Jacinto Klein, mas que se iniciou há uns anos atrás com a visita do Grupo de Danças Folclóricas Alemãs Winterschneis e do proponente àquela cidade argentina. Jacinto já foi duas vezes com grupos para o referido evento na cidade de Campo Viera. O Grupo de Danças Ucranianas Tryzub, coordenado por Clarissa, se apresentou nas duas últimas edições da Festa Nacional do Moranguinho em Bom Princípio, nas quais, segundo ela, a trupe foi muito bem recebida por Jacinto Klein, pelo prefeito Fábio Persch e pela diretora de cultura Tania Baumgratz. Além disso, o grupo Tryzub, hospedou-se nessas duas vezes na cidade de Feliz. Mais um motivo apontado por Clarissa é que Jacinto levou o CTG Estância de Salvador, de Tupandi no ano passado ao tradicional evento argentino.

Outras participações em eventos virtuais

Para Jacinto, é de suma importância a adaptação à nova realidade mundial neste momento e enquadrar-se aos novos moldes de possibilidades de participação virtual em diferentes países. Atento e este movimento circular, Jacinto Klein participou recentemente de um festival virtual correlato à pandemia, realizado na Colômbia, com participantes de países dos quatro cantos do mundo.

Jacinto inscreveu um projeto na categoria fotografias com a fotografia que ainda hoje pode ser visualizada no perfil do Facebook do próprio proponente Jacinto Klein, cujos registros fez em abril deste ano, no auge da pandemia “como sentimento de reclusão”. Ele fotografou de dentro para fora da sua própria casa todas as aberturas, tanto portas como janelas, e dessas imagens fez um grande retrato. Essa imagem retrata um sentimento comum ao ser humano naquele mês. Isso fez com que, até o presente momento, pessoas de dezesseis países, como por exemplo Alemanha, Países Baixos, São Tomé e Príncipe, já se identificaram com ela, clicando em cima, o que faz ela aumentar de tamanho e o nome do país e a quantidade de vezes clicada em cada nação aparecer no programa do controle diário que Jacinto instalou no seu computador. Isso permite um acompanhamento diário da evolução dos clicks em qualquer parte do mundo. E a questão não é dar um “like”; no internauta precisa despertar um interesse e ele clicar na imagem, a qual se amplifica e aparece o título Novos tempos, novos horizontes, não só em português, mas também em todos os idiomas que o Google tradutor tem disponível, pois Klein, quando montou o programa com a ajuda da filha Katiele, não se sentiu por satisfeito em apenas lançar a ideia ao público brasileiro. Jacinto diz que qualquer pessoa do mundo interessada pode ir na página do Facebook de Jacinto Klein e clicar em cima da imagem.

Outro projeto cultural que o intercambista cultural inscreveu no Festival da Colômbia, porém na categoria música, foi através de uma parceria que fez como a banda Bohn’s Musikanten, da cidade de Feliz. O grupo felizense participou com um vídeo de meia hora, com músicas tocadas no próprio estúdio de ensaios durante a pandemia, obedecendo todos os protocolos exigidos por lei, como distanciamentos e uso de máscaras. A locução para as filmagens foi feita em português, alemão e inglês, além de tradução para livras. Vale ressaltar também que todos os cinco músicos são de família Bohn.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here