Robson Eduardo Cândido Martins, mais conhecido como "Irmão" ou "Dudu", de 43 anos, morreu em incêndio em 5 de dezembro, mas faltava a identificação oficial - Reprodução/FN

Robson Eduardo Cândido Martins, de 43 anos, que faleceu em decorrência de um incêndio na madrugada de hoje, sábado, dia 5, era bastante conhecido e estimado. Entre os amigos era mais conhecido pelos apelidos de “Irmão” e “Dudu”. Bastante brincalhão, não gostava de ver ninguém triste. Por isso estava sempre animado, contando piadas e tentando fazer as pessoas sorrirem. É grande a repercussão e comoção nas redes sociais e na comunidade em razão de sua morte, já que era muito querido por todos. Trabalhava como serviços gerais, como na lavagem de veículos e vidros de estabelecimentos comerciais e residências. Colorado fanático, costumava usar a camiseta do Inter mesmo nos tempos mais difíceis do clube.

“Irmão” ou “Dudu” gostava de contar piadas e animar os amigos
– Reprodução/FN

“Irmão” não tinha um local fixo. Ficava em casas de conhecidos, que o recebiam com todo carinho. E um destes locais era a Estética Car, onde se sentia em casa. E estava pernoitando na empresa na madrugada de hoje, por volta de 3h30, quando ocorreu o sinistro. Não se sabe como iniciou o fogo, que atingiu a área de estoque de materiais da empresa, a qual ficou destruída. “Irmão” estava no andar superior, onde tem um apartamento. E acabou também sendo atingido pelo incêndio, sendo encontrado carbonizado, perto da porta de saída.

Os Bombeiros Voluntários Caienses conseguiram evitar que as chamas atingissem outras dependências do prédio. Sete bombeiros, em dois caminhões e outra unidade, atuaram no combate as chamas. A Brigada Militar isolou o local para a perícia e a Polícia Civil será a responsável pela investigação.

Incêndio em empresa onde Robson estava pernoitando ocorreu na madrugada de hoje
– Crédito: Bombeiros

Segundo o delegado Paulo Costa, que estava de plantão na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), mesmo que não reste dúvida quanto à identidade da vítima, que inclusive consta na ocorrência policial, é preciso uma comprovação oficial, por prova técnica. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), em Porto Alegre. Se não for possível a identificação por impressões papilares, como digitais, terá que ser feito por DNA. Na próxima segunda-feira a mãe de Robson deve fazer coleta de sangue para a comprovação.

“Todos gostavam muito dele”, diz o empresário Astor Ribeiro dos Santos, proprietário da empresa Estética Car. Os pais de “Irmão” são de Campo Bom e ele tem demais familiares, como tios e primos. E um incontável número de amigos. Ainda não se tem previsão de quando será a despedida de Robson, o que depende da conclusão dos exames do IML.

Prejuízo foi grande na Estética Car, mas proprietário diz que maior perda foi do amigo que era como um irmão
– Crédito: Bombeiros

Além da perda de “Irmão”, os prejuízos na Estética Car também foram grandes. “O prejuízo foi imenso”, diz Astor, citando a destruição no setor de peças e estoque de materiais. “Mas isso se recupera”, diz, lamentando a perda maior, que foi do amigo Robson. “Para nós é o mesmo que perder um irmão de sangue, pois éramos muito amigos”, diz, consternado.

Astor acredita que a Estética Car deve voltar a atender os clientes em questão de 20 a 30 dias, assim que tudo estiver novamente organizado. A empresa está situada na Avenida Bruno Cassel, próximo ao antigo Posto Capelaro, em São Sebastião do Caí.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here