Crédito: Divulgação/FN

O jovem Município de São José do Sul está mais próximo de receber o maior investimento de sua história. Em ato nessa quinta-feira, representantes da RGE formalizaram à administração municipal o interesse numa área pública para a implantação de uma nova subestação, num investimento estimado em cerca de R$ 35 milhões.

Para efeitos de comparação, o orçamento do Município total previsto para 2020 está na faixa de R$ 20 milhões. A empresa de energia já vinha analisando, há alguns meses, áreas particulares em São José, mas acabou esbarrando em questões ambientais e outras situações que inviabilizavam o projeto. Contudo, um lote de um hectare da prefeitura, situado nas proximidades de Linha Lerner, atende as necessidades do empreendimento.

Representando a RGE, André Luis da Silva, consultor de Negócios, e Mickael Possani, analista de Liberação de Obras, protocolaram o interesse no imóvel. Eles foram recebidos, na ocasião, pelo prefeito Sílvio Inácio de Souza Kremer (PDT), vice-prefeito Marcelo Bock, secretário da Administração e Fazenda, José Alfredo Schmitz, e secretário da Agricultura, Aloísio José Junges. Conforme Kremer, a área não deverá ser cedida ou doada à RGE, mas sim vendida.

“A empresa fez uma proposta e a prefeitura apresentou uma contraproposta, que acreditamos que ela irá aceitar. Iremos elaborar o projeto de lei para a venda e encaminhar à Câmara de Vereadores ainda neste ano. Eu vejo que será aprovado por unanimidade, pois é de extrema necessidade que tenhamos boa energia no Município”, afirma o prefeito.

Além de São José do Sul, a subestação deverá atender também Harmonia, Maratá e Brochier, beneficiando, diretamente, cerca de 15 mil pessoas. Na apresentação da proposta pela RGE, a concessionária de energia reforça o propósito em, justamente, fortalecer o sistema elétrico regional, possibilitando a flexibilização no atendimento às cargas entre as subestações da região e diminuindo o tempo de interrupção em casos de contingência, situação que vem sendo alvo de reclamações frequentes. Os quatro alimentadores previstos para o empreendimento também ampliarão a capacidade atendimento ao mercado.

“Essa subestação era uma solicitação antiga da região. Com a vinda dela, também acreditamos na vinda de mais empresas, além de melhorar as condições para as atividades rurais e o comércio”, completa Silvio Kremer.

O início das obras, com a aprovação do projeto, irá ocorrer no ano que vem. Conforme estimativa preliminar da RGE, apresentada em reunião na Amvarc, a subestação poderá começar a distribuir energia em 2021.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here