Delegado Paulo Costa comanda a investigação - Talis Ferreira/Reprodução

Na tarde de hoje, terça-feira, uma dupla de irmãos foi apresentada por um advogado, na Delegacia de Montenegro. Eles não são parentes da vítima Cesar Augusto Martins Moura, o “Cesinha”, de 27 anos. São dois suspeitos, que são irmãos. Um deles teria admitido envolvimento na briga, que teria ocorrido na frente da Associação Comunitária Esperança, na madrugada do último domingo. A Polícia não divulgou nomes e nem detalhes dos depoimentos deles para não prejudicar a investigação, mas espera concluir o inquérito nos próximos dias. Como muita gente viu a briga, a Polícia pede que testemunhas, mesmo de maneira anônima, entrem em contato pelos telefones 3632 1111 ou 197, para auxiliar com informações que possam elucidar o caso.

Segundo o delegado Paulo Costa, existem duas versões sobre o caso. Numa delas, segundo testemunhas, houve um desentendimento na festa, envolvendo uma mulher e o companheiro dela, que teria se indignado por um ato jocoso e munido de uma faca atingiu a vítima. Que mesmo correndo, foi atingida mais vezes, inclusive por um familiar do agressor. Outra versão, por parte dos dois suspeitos, que seriam irmãos, é de que teriam dois homens caminhando. Um teria ficado para trás. Teria ocorrido então uma briga, em razão de uma provocação, resultando nas facadas.

Conforme o delegado Paulo, é importante o depoimento de mais testemunhas, que estavam no local da briga, para esclarecer o que aconteceu. “Peço que as testemunhas venham e prestem depoimento. Não terão os seus nomes divulgados”, garante. A Polícia também procura um vídeo que teria sido gravado no local. “Testemunhas revelaram que teria alguém filmando. Peço que quem tenha o vídeo venha conversar conosco. Vamos manter o sigilo. A informação nos interessa”, disse, ao repórter e vereador Talis Ferreira.

Os dois irmãos, que deram depoimento hoje, foram depois liberados. E a Polícia continua investigando o caso para concluir o inquérito.

O Crime

Cesar Augusto Moura foi morto a facadas na madrugada de domingo
– Facebook/Reprodução

Por volta das 5h da madrugada de domingo, 4 de novembro, dois homens deixaram um rapaz no Hospital Unimed. Ele estava gravemente ferido, com cortes de várias facadas pelo corpo, como no abdome, tórax e braços. Os dois indivíduos chegaram ao hospital de carro, deixaram a vítima e foram embora sem dar maiores informações. Disseram apenas que estavam passando na rua e viram o rapaz agonizando e decidiram socorrer, levando-o ao hospital.

A equipe médica da Unimed fez todos os procedimentos de emergência, mas a vítima não resistiu e veio a falecer. A Brigada Militar buscou informações na região do bairro Senai e Vila Esperança, onde teria ocorrido o crime. Mas os acusados não foram localizados.

A Polícia Civil logo começou a investigar o caso. Foi o terceiro homicídio deste ano no município. Os dois anteriores tinham ocorrido no início de 2018, quando corpos foram encontrados nas margens da RS 124 e BR 386. Portanto fazia 9 meses que não ocorria um assassinato em Montenegro, num dos anos mais tranqüilos neste tipo de crime.

Suspeitos falaram 

Cesar Augusto Martins Moura, o “Cesinha”, de 27 anos,  morava no bairro Panorama, trabalhava como serviços gerais em biscates e deixou um casal de filhos pequenos – menino de 4 anos e uma bebê de 9 meses.

Conforme apurou a Polícia, Cesar estaria participando da festa na Associação Comunitária da Vila Esperança, na frente da escola e ao lado do ginásio, no bairro Senai. Após um desentendimento, ele teria saído correndo do local, sendo perseguido por dois indivíduos. Entrou na Rua dos Imigrantes, onde acabou sendo esfaqueado. A suspeita é de que os envolvidos já tinham uma rixa.

Cesinha foi velado na capela mortuária da Funerária Forneck Mattana e sepultado na tarde de segunda-feira, no cemitério de Montenegro, com o acompanhamento de familiares e amigos.

Deixe seu comentário