Propriedade fica na localidade de Despique Reprodução/FN

A Polícia Civil já identificou quem seria responsável pelos danos ocorridos numa casa de propriedade do presidente da Câmara de Vereadores de Pareci Novo, Francisco Mendel (MDB), na localidade de Despique.

Conforme o delegado Paulo Ricardo Costa, de Montenegro e que no momento está respondendo também pela Delegacia do Pareci, uma acusada se apresentou ontem à Polícia e confessou a autoria. Imagens de câmeras da casa, segundo o delegado, mostram ela no local. “Observamos o total descontrole da suspeita. Usou marreta, cano e caneca com gasolina. Quebrou uma churrasqueira nova com a marreta, assim como janelas e a caixa de luz, além de colocar fogo no teto. Poderia ter queimado toda a casa”, afirma o delegado, que analisou as imagens e tomou o depoimento da acusada.

Chegou a ser colocado fogo no teto da residência
Reprodução/FN

Segundo o delegado, a ação ocorreu entre 22h de quarta-feira e 6h da manhã de quinta-feira. E não foi só na casa do vereador. “Ela também foi na casa da sogra, na mesma localidade, onde tentou colocar fogo”, informa o doutor Paulo Ricardo Costa. “Mostra um total descontrole de conduta e sentimentos, numa ação grave. Nada justifica. Mesmo com motivação política jamais poderia ter tomado esta atitude”, entende o delegado. “Ela alegou ter bipolaridade, com acessos de raiva, em fatos inclusive envolvendo a gestão política do município”, completa. Conforme o delegado, a acusada informou que tinha problema na coluna, mas venceu a raiva para cometer os danos, inclusive com uma marreta para quebrar a churrasqueira.

Janelas da casa também foram danificadas
Reprodução/FN

De acordo com o delegado, a forma como ocorreu este quinto caso leva a Polícia a suspeitar de que tenha ligação com os danos anteriores, na mesma propriedade, que vem ocorrendo desde maio. “Ela nega que tenha cometido os outros danos. Só confessou este último. Garantiu que agiu sozinha e negou o envolvimento de outras pessoas. Nas imagens realmente só aparece ela”, diz o doutor Paulo. “Ela disse que vem sofrendo de acessos de raiva e o marido teria se incomodado com a oposição. Alegou que em função da bipolaridade estaria usando medicamentos”, conta o delegado.

Conforme o delegado, o indiciamento no inquérito será por dano qualificado por uso de substância inflamável e por prejuízo considerável à vítima. Em caso de condenação, está sujeito a pena entre 6 meses a 3 anos de reclusão. “Estamos concluindo o inquérito”, revelou. Preferiu não informar o nome da acusada, dizendo apenas que ela tem ligação com a Câmara de Vereadores. E ainda está estudando se serão liberadas imagens gravadas pelas câmeras.

Vereador ficou surpreso

O vereador Francisco Mendel diz que ficou surpreso com o que revelaram as imagens. Ele conta que após o quarto ataque instalou duas câmeras na casa, as quais registraram os danos e de quem foi à autoria. “Ela veio me procurar. Estava chorando e desesperada. Pediu desculpas e falou que estava doente”, conta. Depois diz que ele próprio acompanhou a vereadora e primeira-dama Maria Lourdes Francisco (PDT) até a Delegacia, onde ela prestou depoimento. “Sempre tivemos uma boa relação”, estranha, dizendo que passou o caso para um advogado e por isso não iria dar maiores detalhes.

A reportagem tentou contato com a vereadora Lourdes, mas não atendeu o celular e não respondeu no whats App. Foi feito também contato com o prefeito Oregino Francisco (PDT) que disse que iria se manifestar na tarde de hoje.

Deixe seu comentário