O depoimento do idoso de 77 anos que foi vítima do tradicional golpe do bilhete premiado mostra que os estelionatários estão cada vez mais audaciosos. Inicialmente foi feito um registro policial de desaparecimento de pessoa, no final da manhã de ontem, quarta-feira. Mas pelas características a Polícia logo suspeitou se tratasse de mais um caso de golpe do bilhete premiado, o terceiro registrado em Montenegro em questão de três semanas.

Conforme um genro do idoso, seu sogro chegou em casa, no bairro Santo Antônio, por volta das 10h da manhã de ontem, acompanhado de dois homens, os quais ficaram do lado de fora da residência. Ele informou à esposa que precisava emprestar uma quantia em dinheiro para uma pessoa de Lajeado. Chegou a comentar que se emprestasse iria receber R$ 50 mil como recompensa. E saiu de casa com seu cartão bancário, entrando numa caminhonete de cor branca, acompanhado dos dois indivíduos. Suspeitando do golpe, os familiares do idoso entraram em contato com o banco e descobriram que já tinham sido feitos dois saques, sendo um às 10h19 na agência de Portão no valor de R$ 1.500 e outro às 10h49 em Estância Velha de 5 mil reais. Ainda ocorreu uma tentativa de saque em Novo Hamburgo às 11h15, mas acabou não sendo retirado nenhum valor porque a conta já tinha sido bloqueada pelos familiares.

Na tarde de ontem, em torno de 16h, foi feito o registro de localização de pessoa desaparecida. O idoso, após ser encontrado, informou que foi vítima de estelionato. Ele disse que por volta das 9h30, perto do posto Ipiranga, no cruzamento da RSC 287, um senhor, aparentando em torno de 80 anos, se apresentando como José e dizendo morar em Taquari, declarou que tinha ganhado um prêmio e que precisava de ajuda para sacar o dinheiro, já que não conhecia a cidade e era analfabeto. Como é tradicional no golpe, surgiu um comparsa, de aproximadamente 30 anos, que se ofereceu para ajudar e supostamente telefonou para uma agência bancária, confirmando que José teria ganhado 1 milhão e 442 mil reais. José então ofereceu 50 mil reais para cada um como recompensa para ajudar, mas pediu uma garantia em dinheiro. Perguntou onde o idoso tinha conta e se estava com o cartão do banco. Ele foi então até em casa buscar, acompanhado dos dois golpistas. Além do cartão, entregou 3 mil reais que tinha em casa e outros cerca de 500 reais que levava na carteira. Em seguida foram até o município de Portão onde sacaram R$ 1.500 e logo depois em Estância Velha mais R$ 5 mil. Tentaram sacar outros R$ 5 mil em Novo Hamburgo, mas não conseguiram porque a conta tinha sido bloqueada pelo familiares da vítima. Mesmo assim ainda tentaram sacar na agência da Scharlau, em São Leopoldo, mas não conseguiram. Foi onde deixaram o idoso, avisando para não falar com ninguém. Em seguida fugiram levando os 10 mi reais sacados da vítima. O idoso pegou um ônibus e voltou para Montenegro, onde reencontrou os parentes.

O delegado André Roese alerta para as vítimas não caírem nestes golpes. “As pessoas tem que entender que se o negócio é muito bom, provavelmente é golpe”, afirma. Quando alguém diz que tem bilhete premiado e pede garantia em dinheiro ao solicitar ajuda para sacar o prêmio, é certo que é golpe. A forma de atuação é sempre parecida e já conhecida. As vítimas ainda correm grande risco ao entrar no veiculo dos vigaristas, podendo ser seqüestradas e assaltadas com uso de arma, como aconteceu recentemente. Não pode dizer que tem dinheiro, entregar ou ir com os indivíduos. Se possível, avisar a Brigada Militar ou Polícia Civil pelos fones 190 ou 197, ou algum familiar, para tentar prender os criminosos.

Na semana passada ocorreu um caso semelhante em Montenegro, de um golpe do bilhete premiado seguido de assalto com arma, onde a vítima entregou 10 mil reais. E no mês passado uma vítima perdeu R$ 35 mil.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here