Faca, facões e barras de ferro foram apreendidas na casa onde mulher diz que vem sendo agredida faz oito anos - Crédito: BM

Na madrugada deste sábado, dia 18, após uma mulher de 50 anos gritar por socorro, vizinhos do bairro Santa Terezinha, acionaram a Brigada Militar de Bom Princípio. Uma guarnição foi até o local e encontrou a vítima ferida. Segundo a Brigada, ela relatou que foi agredida pelo seu companheiro, de 44 anos, o qual estava embriagado e de posse de uma faca. O acusado foi contido e preso, sendo encaminhado para a Delegacia de Policia de Pronto Atendimento (DPPA) de Montenegro, onde foi lavrada a prisão em flagrante por violência doméstica, sendo enquadrado na Lei Maria da Penha. De acordo com a BM, ele já tem antecedentes criminais por disparo de arma de fogo, lesão corporal (três vezes) e perturbação da tranquilidade.

A vítima relatou ainda que o companheiro a agride, além de quebrar seus objetos pessoais. Segundo ela, na madrugada de hoje ele tentou matá-la com uma faca, que colocou em seu pescoço durante duas horas. Também quebrou o seu telefone celular, para impedir que pedisse socorro. As agressões, segundo a mulher, já ocorrem faz oito anos, mas que tinha medo de denunciar devido as ameaças de morte. Quando a Brigada chegou ao local, ele ainda estava com uma faca em mãos e se escondeu num quarto da casa, sendo necessário apoio policial para conter o acusado, que estava embriagado e bastante alterado. No interior da residência ainda foram encontrados um facão e um ferro, atrás de cada porta, que seriam colocados por ele estrategicamente, assim como uma faca em cima da pia.

A vítima foi encaminhada para atendimento na UPA de Bom Princípio e o acusado, após levado para a DPPA, foi recolhido ao sistema prisional.

Violência contra a mulher deve ser denunciada

Durante o período da pandemia, em que as pessoas têm procurado ficar mais em casa para evitar o avanço do coronavírus, tem aumentado os registros de casos de violência doméstica. Com a quarentena, as vítimas têm tido mais contato com agressores. Soma-se a isso problemas financeiros, embriaguez e outros. “Esse fenômeno tem se verificado em todo o Estado”, lamenta a delegada Cleusa Spinato, titular da Delegacia da Mulher (DEAM) no Vale do Caí. É importante as mulheres denunciarem os casos, seja de ameaça, agressão e até crimes sexuais. Vizinhos, familiares ou demais pessoas, que constatarem ou souberem das agressões, também devem denunciar, mesmo de forma anônima, para que os fatos sejam apurados. As denúncias podem ocorrer para a Brigada Militar no telefone 190, Polícia Civil no 197 ou no Disque Denúncia 180.

Em alguns casos os agressores estão sendo presos graças a rápida ação da Brigada Militar e da Polícia Civil, com o apoio do Judiciário e base na Lei Maria da Penha. Destaque também para a atuação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM), que existe em Bom Princípio e outras cidades da região.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here