Valmir Renner, o "Casão"ou "Cabelo", morava no Caí e têm condenações que somam 63 anos - Crédito: Brigada Militar

A Polícia Civil e a Brigada Militar da região participaram da Operação Questão de Honra, desencadeada no último sábado com o objetivo de prender os envolvidos na morte do policial militar Emerson Daltri Tadielo, de 41 anos. Morador de Santiago e atuando na força-tarefa na Cadeia Pública de Porto Alegre, o soldado estava de folga no início da tarde da última quinta-feira, dia 4, quando comprava vasos numa tenda da margem da BR 386, na localidade de Coxilha Velha, em Triunfo, próximo de Montenegro. Ele foi assassinado com um tiro no pescoço quando reagiu a um assalto em que os bandidos pretendiam roubar a sua caminhonete Ford Ranger. Ele chegou a disparar, mas a arma teria falhado

Dos três suspeitos de envolvimento no assassinato do brigadiano, um morava em São Sebastião do Caí, onde ainda têm familiares. Por isso ocorreram buscas também no Caí. Atualmente o suspeito estava morando em Portão, mas cumpria pena no regime semi-aberto no Instituto Penal de Novo Hamburgo. Valmir Renner, conhecido como “Casão” ou “Cabelo”, de 39 anos, foi detido quando saia do presídio na manhã de sábado. Ele estava com mandado de prisão preventiva. Conforme a Polícia, durante buscas na residência de Valmir, foi localizada uma caixa de isopor com diversos medicamentos de origem duvidosa, sendo também confeccionada ocorrência para apuração dos fatos. Também foi apreendido um automóvel Civic blindado de propriedade de “Casão”. Ele é bastante conhecido da Polícia do Vale do Caí. Foi condenado a 63 anos de prisão por assaltos. Só num inquérito, resultado de investigação realizada pelas Delegacia da Feliz e do Caí, foi condenado a 41 anos, por envolvimento em 23 assaltos entre 2009 e 2010. Ele seria o líder de uma quadrilha que praticou vários roubos nos municípios de Feliz, Bom Princípio, Caí, Salvador do Sul e Portão. Através de escutas telefônicas, a Polícia monitorou o bando, que foi desarticulado.

“Casão” ficou pouco tempo no regime fechado e já tinha recebido o benefício do semi-aberto, onde dormia na cadeia e saia durante o dia quando deveria estar trabalhando. O delegado Lúcio Melo, da Delegacia de Triunfo e responsável pela investigação, diz que é difícil entender como um criminoso com tantos anos de pena já estava no semi-aberto. E pior ainda, cometendo delitos quando deveria estar trabalhando.

Ernesto Schorn é comparsa de “Casão” e tem condenação de 29 anos, incluindo assaltos no Vale do Caí
– Crédito: Brigada Militar

Outro detido, comparsa de Valmir, também cumpria pena no regime semi-aberto. Por volta das 9h da manhã de sábado, no Instituto Penal de São Leopoldo, foi detido Ernesto da Rosa Schorn, de 36 anos, que também estava com mandado de prisão preventiva. Ele é acusado de disparar o tiro que matou o soldado. Ernesto também foi condenado a 29 anos de prisão por integrar a mesma quadrilha de assaltos de Casão. É acusado de envolvimento em assaltos em São Leopoldo, Feliz, Alto Feliz e Portão. Os dois juntos somam 92 anos de condenações. E mesmo assim podiam sair durante o dia, mas era para trabalhar.

No final da manhã de sábado, em torno de 11h, no município de Portão, foi apreendido o automóvel Focus, de cor preta, que teria sido utilizado pelos acusados no latrocínio (matar para roubar), onde o PM foi morto na última quinta-feira. Mais um suspeito, Josias de Souza Silva, foi preso em Lajeado, junto com outros três de posse de drogas, pistola calibre 40 e revólver calibre 38. Segundo a Polícia, possivelmente são armas utilizadas na morte do soldado. Os presos e objetos apreendidos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Montenegro e para a Delegacia de Lajeado. O soldado assassinato foi sepultado em Santiago na última sexta-feira. Com vinte anos de farda, ele deixa esposa e uma filha, além de demais familiares, amigos e colegas. Em razão da folga ele estava indo para Santiago para encontrar a família, quando decidiu parar numa tenda para comprar vasos de flores para a sua casa.

Deixe seu comentário