Conforme reportagem do programa Fantástico, Marcelo Luft construiu um prédio no centro de Montenegro - TV Globo/Reprodução

Numa das principais reportagens do programa Fantástico, da TV Globo, na noite deste domingo, dia 14, o nome de Montenegro foi citado como o município onde um acusado de tráfico de drogas sintéticas pelos Correios estaria fazendo investimento através da construção de um prédio no centro da cidade. O programa mostrou inclusive uma imagem aérea do prédio comercial, além do resultado de uma investigação policial que revelou como quadrilhas distribuíam ecstasy e LSD por todo o país por correspondência. Os criminosos usavam até um kit comercial para detectar a pureza da mercadoria.

Uma operação coordenada pela polícia gaúcha prendeu traficantes em dez estados e também no Distrito Federal. Um dos acusados seria o que investiu no prédio no centro de Montenegro, junto com sua mãe, que mora no município. Foram dez meses de investigação e quase 5 mil comprimidos de ecstasy apreendidos com os traficantes, além de LSD, lança-perfume e mais de 200 gramas de MDMA (substância que é a base do ecstasy).

A reportagem

A matéria foi apresentada quase no final do programa, pouco antes dos gols do Fantástico. E chamou a atenção justamente quando foi mencionado o nome de Montenegro sobre onde um dos acusados estaria investindo.

Conforme a reportagem, a operação ocorreu numa sexta-feira, dia 28 de setembro. Um dos procurados, Bruno Pires da Silva, só foi preso quatro dias depois, no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, quando retornava do Rio de Janeiro. Em razão da lei eleitoral, acabou sendo liberado e deveria se apresentar à Justiça na última quarta-feira. Não se apresentou e sua mãe informou que teria ido para o Paraguai.

A reportagem destaca que as drogas sintéticas costumam ser vendidas em festas jovens, principalmente nas chamadas raves.

Numa ação controlada, a matéria mostra imagens de um policial disfarçado comprando ecstasy numa rua de Porto Alegre. O vendedor da droga era Marcelo Garcia Luft, que de acordo com a investigação seria um dos cabeças do esquema que despachava drogas pelos Correios. Ele se apresentou à Polícia depois que a irmã e o namorado dela foram presos na operação policial. No apartamento da irmã a Polícia encontrou 1.903 comprimidos de ecstasy, 125 cartelas de LSD, 189 gramas de MDMA e embalagens para postagens nos Correios. Para tentar burlar o sistema dos Correios a droga vinha com a embalagem de composto energético e no meio de pó de café. Ao todo sete pessoas foram presas na Operação.

Grande quantidade de rogas sintéticas foram encontradas no apartamento da irmã do acusado
– TV Globo/Reprodução

No aplicativo de celular Marcelo se apresentava como Marcelo Luft Balas. Balas é como o ecstasy é conhecido pelos usuários. Ele seria de família de agricultores. Conforme a reportagem, junto com a mãe, Marcelo investiu na construção de um prédio comercial no centro de Montenegro. Pelas imagens o prédio fica na Rua Capitão Porfírio. Em nota, sua advogada e também da irmã Daniela, disse que a jovem, de 22 anos, não tinha conhecimento dos supostos atos praticados pelo irmão, o qual possuía livre acesso ao seu apartamento onde foram apreendidos os materiais ilícitos. A advogada ressaltou que o único investigado na Operação era Marcelo.

Marcelo Luft teria investido em prédio comercial no centro de Montenegro
– TV Globo/Reprodução

Em suas páginas nas redes sociais (facebook) consta que Marcelo é natural de Montenegro e depois teria ido morar em Minas do Leão. A irmã é natural de Montenegro e atualmente reside em Porto Alegre, onde estuda numa universidade.

Deixe seu comentário