Crédito: Ricardo Duarte/Site do Internacional

O Inter segue devendo uma atuação convincente neste início de temporada. Verdade que o treinador Odair Hellmann, cujo trabalho começa a sofrer contestações por alguns torcedores, segue fazendo testes na busca da melhor formação para o time principal. Mas se, mesmo no Gauchão, com adversários tão fracos, o Colorado vem penando, imaginem na Libertadores.

Claro que alguns jogadores andam devendo em desempenho, mas, no conjunto da obra, tem se visto um time pouco vibrante e movediço em campo. Estático, o Inter é, facilmente, marcado e chega a se ver em apuros, como aconteceu diante do Caxias no último domingo, no Beira-Rio.

Um dos diferenciais, em boa parte do ano de 2018, foi a rápida saída para o ataque, pelas laterais. O setor, hoje, vem comprometendo. Moledo e Cuesta, que formaram a melhor dupla de zaga do Brasileirão passado, nem de longe vêm repetindo aquelas atuações. Faltando proteção ou ritmo?

Guerrero iniciou os treinos com o elenco, mas só poderá estrear, de fato, em abril.

Elogios de todos os cantos

A imprensa esportiva, inclusive do centro do país, não tem poupado elogios ao Grêmio neste início de temporada. Ainda que o Tricolor não tenha encontrado algum adversário mais exigente, até o momento, é preciso salientar a manutenção de um padrão de jogo de alta qualidade, com valorização da posse de bola, mas com ousadia, sem abuso de passes laterais.

O Grêmio chega fácil ao ataque. Diferente do que vem acontecendo com o Inter, seu time se mostra muito mais móvel, com melhor ocupação dos espaços. Isso talvez porque, curiosamente, o time esteja encarando o Gauchão com maior seriedade que o rival.

Falta menos de um mês, aliás, para o primeiro clássico Gre-Nal da temporada, o qual acontecerá na Arena.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here