Crédito: Ricardo Duarte/Site do Inter

O golaço de Nico López – o uruguaio fez mais um depois – premiou os mais de 30 mil colorados que foram ao Beira-Rio, no início da noite do domingo. O bom resultado diante do descaracterizado e fraco time do Fluminense garantiu a classificação direta do Inter à fase de grupos da Libertadores da América/2019. Uma façanha talvez inimaginável para a metade vermelha do Estado no início desse temporada, diante do clima de incerteza que pairava sobre o clube após um retorno sem brilho da Série B.

Os colorados chegaram a sonhar ainda mais longe no decorrer do Brasileirão. Em boa parte da disputa, o time de Odair estava sim na briga pela taça. Contudo, não contava com a histórica arrancada do Palmeiras, que chegou a 22 jogos de invencibilidade, e, também é verdade, perdeu o gás na reta final da disputa. O jogador Patrick, por exemplo, que chegou a ser um dos grandes destaques da competição, teve sua titularidade muito questionada pelos torcedores nas rodadas derradeiras. Com razão, aliás.

Como não anda nadando no dinheiro, outra vez o Inter precisará usar o conhecimento de mercado e a criatividade para se reforçar para a próxima temporada. Mas ainda tem um jogo nesse ano, contra o Paraná, em Curitiba. Que tal dar uma chance para a gurizada? Nomes como Richard, Pedro Lucas e Sarrafiore pedem passagem.

Empate inoportuno em Salvador

O Grêmio contava com a conquista de três pontos no Barradão diante do agora rebaixado Vitória, mas não saiu do 0 a 0. Se o São Paulo vencer sua partida contra o desesperado Sport, logo mais, no Morumbi, assumirá a quarta colocação, empurrando os gremistas para a zona da Pré-Libertadores.

Claro que há mais uma rodada por ser disputada. Em tese, bem mais complicada para o São Paulo, que irá pegar a desesperada Chapecoense, em Santa Catarina, enquanto o Grêmio receberá um Corinthians totalmente desinteressado, na Arena. Mas, de toda forma, o time de Renato não estaria mais dependendo só de suas forças.

E agora, Conmebol?

Que coisa mais lamentável o que se viu no final da tarde do sábado, em Buenos Aires. Inacreditáveis o despreparo da polícia argentina e a morosidade da Conmebol. O time do Boca Juniors foi, literalmente, emboscado nas imediações do Monumental de Nuñez. Logo após o ataque protagonizado por torcedores do River, sabia-se que não havia qualquer condição para a realização da finalíssima da Libertadores, mas a entidade máxima do futebol sul americano levou um tempo absurdo para chegar à decisão lógica.

Quando ocorrerá o novo jogo entre River e Boca. Aliás, vai ter jogo?

Deixe seu comentário