Um fenômeno já constatado durante a disputa da Copa da Rússia. Ter domínio territorial e maior posse de bola são fatores que deixaram de ser determinantes para vitórias. Ganha quem sabe ser efetivo, contundente, quem capricha no toque final. E, claro, quem erra menos.

Everton Ribeiro garantiu os cariocas na semifinal da Copa do Brasil
Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

O Grêmio, diante do Flamengo, no Maracanã, teve quase 70% de posse de bola, chegou a encurralar o adversário. Mas lá na frente poucas oportunidades criou. E, para piorar, sua geralmente segura defesa voltou a vacilar. Custou a vaga nas semifinais da Copa do Brasil. O hexa fica adiado, novamente.

Quase 60 mil torcedores estiveram no ex-maior estádio do mundo. De bom, o fato do time de Renato ter encarado a bronca com a mesma naturalidade que o fez acumular conquistas, recentemente. Mas é evidente que o time ainda não assimilou bem a saída de Arthur, que Luan vem fazendo uma temporada inferior e que Andre não pode ser titular absoluto. Até mesmo Geromel apresenta uma ligeira queda de rendimento, apesar de seguir como um dos grandes defensores do futebol brasileiro.

Vida que segue para os gremistas, na Libertadores e no Brasileiro. Na disputa continental, o Grêmio tem totais condições de reverter a vantagem do Estudiantes, mas precisa evoluir para ratificar a condição de favorito ao título. Já a disputa doméstica passa a merecer maior atenção a partir de agora.

Guererro para oxigenar o sonho

Talvez, nem o mais fanático torcedor colorado acreditasse que o Inter pudesse ser protagonista na disputa do Brasileirão. Time em reformulação, voltando da Série B sem brilho, com campanha fraca no Gauchão. Os indícios não eram dos melhores.

Paolo reforça a esperança dos colorados em busca do tetracampeonato        Internacional/Divulgação

A direção bancou a permanência de Odair Hellmann e buscou reforços dentro e fora de campo. O time deu liga e, quando isso acontece, o jogador bom começa a exibir toda sua categoria e até aquele jogador tido como limitado passa a ter utilidade.

Excepcional a campanha colorada até aqui no Brasileirão. Embora, seja remota a possibilidade, o time pode terminar o primeiro turno da competição com a melhor campanha, desbancando São Paulo e Flamengo.

Paolo Guerrero chegou como um reforço de muito peso não só para o ataque do time, que vem funcionando muito bem, mas para o prestígio do clube e o ânimo dos torcedores. Já não é mais tão jovem, mas quem ousaria questionar uma contratação desse porte?

Se jogar o que sabe, o peruano pode, definitivamente, fazer os colorados sonharem com o tetracampeonato nacional.

Tempo de renovação

Tite ficou. E merecia mesmo ficar. Salvo algumas escolhas equivocadas, vem fazendo um excelente trabalho à frente da Seleção Brasileira. A eliminação nas quartas de final da última Copa foi dolorida, mas não pode comprometer a sua trajetória.

Técnico Tite tem observado os jogadores brasileiros no campeonato nacional       CBF/Divulgação

Estou muito curioso com relação à sua primeira lista de convocados pós-copa. Tem gente boa pedindo passagem. Virá, de cara, uma profunda renovação? Acho improvável, mas…

Deixe seu comentário