Sergio era casado com Cleonice Borba Reprodução/FN

Conhecido como Schusta, ele trabalhou também em madeireiras e na fábrica Leitz

Morreu, na última quinta-feira, o caiense Sérgio Adriano Schuster. Filho de Marcos Silfredo Schuster e Ana Eli, ele era natural do Caí.

Seu primeiro emprego foi na Leitz Ferramentas e depois trabalhou na antiga Madeireira Mello (hoje Madeireira São José) e, depois, em outras madeireiras caienses como a Telsul, na Conceição.

Há sete anos, Sérgio adquiriu o Restaurante do Nôno, que administrava.
Sérgio gostava muito de futebol. Era gremista fanático e foi jogador em equipes caienses. Ultimamente atuou como treinador.

Muito comunicativo, ele era conhecido também pelo apelido de Schusta. Tinha 45 anos, casado com Cleonice Borba de Barros, e irmão de Patrícia Schuster Flores. Deixou dois filhos: Carolina, com 23 anos, e Luiz Eduardo com 18.

A causa da morte foi um infarto, que ele sofreu quando estava em casa. Prontamente foi levado ao hospital Sagrada Família e depois para Porto Alegre onde faleceu na manhã de quinta-feira.

Depois de ser velado na Funerária Hartmann foi cremado no Crematório São José, em Caxias do Sul. As cinzas estarão presentes na missa de 7º dia, na igreja Matriz São João Nepumoceno de Harmonia, dia 27 às 16 horas. Após a missa, serão enterradas junto a sepultura dos avós.

O tríduo de orações inicia segunda-feira, dia 22, em sua casa na rua Adão Vieira, nº 541, Morada do Vale.

Deixe seu comentário