Caienses já se manifestaram contra o pedágio no Areião e alternativa podem ser rotas de fuga - Crédito: Fábio Fuchs Klein/FN

O prefeito de São Sebastião do Caí reagiu com indignação contra a homologação do resultado do leilão de concessão das rodovias estaduais de bloco 3. Mesmo com os protestos de lideranças políticas e empresariais, a homologação foi publicada ontem, terça-feira, no Diário Oficial do Estado. Diante do fato de que a RS 122, na altura do quilômetro 4, no bairro Areião, no Caí, vai receber uma nova praça de pedágio com tarifa de R$ 9,83, o prefeito caiense disse que vai investir em rotas de fuga.

Estrada do Passo da Taquara foi asfaltada e pode ser alternativa para desviar do pedágio
– Crédito: Fábio Fuchs Klein/FN

Campani declarou que vai pavimentar os desvios e incentivar os caienses a não pagar o pedágio. Lamentou que, quem mora no Areião, e trabalha na cidade, terá de pagar quase 20 reais diariamente, já que a cobrança será nos dois sentidos, sem isenção aos moradores locais. Na segunda-feira Júlio Campani participou de uma reunião no Ministério Público do Estado, juntamente com deputados e lideranças, solicitando apoio para que a Procuradoria Geral de Justiça estude medidas jurídicas que impeçam a assinatura do contrato da empresa vencedora do leilão com o Estado. Campani diz que ainda vai pedir que a empresa mude o local proposto para o pedágio, pois do contrário terão duas rotas de fuga. Além de um desvio que já está pronto, através da estrada do Passo da Taquara, recentemente asfaltada, diz que outro poderá ser feito, como pela Estrada da Tafona, com a pavimentação de cerca de 1,5 quilômetro. O prefeito também estuda a criação de via paralela à RS 122, negociando com proprietários de terras, para fazer desvio do pedágio.

Na RS 240, em Capela de Santana, perto da divisa com Montenegro, o desvio do futuro pedágio será mais difícil devido a proximidade com o rio Caí
– Crédito: Guilherme Baptista/FN

No caso de Capela de Santana, como a futura praça de pedágio deverá ficar próximo ao rio Caí, na altura do quilômetro 30 da RS 240, em Paquete, bem perto da divisa com Montenegro, fica mais difícil a construção de desvios. Por isso o prefeito capelense Alfredo Machado ainda acredita no sucesso de ação judicial, ingressada pelos vereadores, mesmo que o pedido de liminar tenha sido negado em primeira instância.

A instalação dos novos pedágios também deve ser discutida pelos prefeitos da região em reunião da AMVARC na próxima terça-feira, às 14h, no campus da UCS em São Sebastião do Caí.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here