Elisabetha Augusta Müller Oderich era muito conhecida e estimada - Reprodução/FN

Na noite de ontem, quarta-feira, dia 14, faleceu Elisabetha Augusta Müller Oderich. Também conhecida como Vó Beth, ela tinha 97 anos e era matriarca de uma das mais tradicionais famílias de São Sebastião do Caí.

Dona Beth era a matriarca da família Oderich
– Reprodução/FN

Muito conhecida e estimada, dona Beth faleceu ao lado da filha Lúcia Oderich Moreira e de sua cuidadora. O velório acontece na capela velatória da Funerária Hartmann, no centro do Caí, com cerimônia de despedida prevista para as 15h e sepultamento no Cemitério Municipal de São Sebastião do Caí. Muitas são as homenagens e notas de pesar, como da Prefeitura, Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação, Paróquia São Sebastião do Caí, entre outras.

Dona Beth nasceu em São Sebastião do Caí em 28 de junho de 1924. Após iniciar seus estudos no Caí, estudou na Fundação Evangélica em Novo Hamburgo. Casou-se com Carlos Henrique Oderich Sobrinho, com o qual teve 6 filhos: Henriqueta (falecida), Lucia, Ernesto, João Adolfo, Marcos e Claudio, além de 20 netos, 25 bisnetos, demais familiares e um incontável número de amigos. Foi professora de piano e alemão.

 

Conservas Oderich

Dona Beth tem uma ligação forte com a história da Conservas Oderich, uma das principais empresas do Caí e da região. Em 1879 o jovem alemão Adolph Oderich, então com 22 anos, desembarca em Porto Alegre, na condição de caixeiro viajante. Fixou-se em São Sebastião do Caí, onde casou e teve cinco filhos: Max, Ernesto, Carlos Henrique, Irene e Irma. Montou um armazém na cidade, que deu origem a um centro de refinamento de banha. O filho mais velho foi estudar conservação de carnes na Alemanha e retornou entusiasmado para fazer nascer à primeira empresa no Brasil, a terceira do mundo, no gênero de enlatados. Ao longo das décadas seguintes, chegou a produzir um milhão de quilos de derivados suínos por ano, incluindo salsichas, lingüiças, bacon, presuntos, queijo de porco, caldos e sopas, obtendo assim novos mercados no país e no exterior.

Fábrica da Conservas Oderich no Caí
Fábrica da Conservas Oderich no Caí – Reprodução/Internet

Sem descendentes, Carlos H. Oderich prepara o afilhado, Carlos Henrique Oderich Sobrinho (esposo de Vó Beth), filho do irmão Ernesto, para perpetuar o legado da empresa. Carlos Henrique Oderich Sobrinho leva a empresa a outro patamar, quando em 1956, sai do conglomerado de empresas Frigoríficos Nacionais SA, altera a razão social para Conservas Oderich S/A e lança ações no mercado.

Para manter-se ativa no mercado, bem como zelar por seus princípios éticos, a Oderich, com ousadia e perseverança, reposiciona a marca a partir de 1970.

À frente da Oderich, a 4ª geração da família, liderada em diferentes áreas pelos irmãos Cláudio, Lúcia e Marcos, filhos de Carlos Henrique Oderich Sobrinho e de Elisabetha (Vó Beth), é responsável por conduzir a Oderich para um novo ciclo de expansão. Mantém-se o zelo pela marca e o compromisso com os valores de seu fundador: ética, qualidade e empreendedorismo.

Em 1982 seus dois filhos mais novos, Marcos e Cláudio Oderich (hoje também vice-presidente do Grêmio), assumiram a administração. Os dois eram muito jovens ainda. Marcos, formado em Administração de Empresas, tinha 25 anos; Cláudio, formado em Engenharia Química, tinha 24. Mesmo assim eles souberam administrar com prudência e capacidade. Trabalhando com admirável dedicação, os dois jovens administradores conseguiram fortalecer a empresa e encontrar os caminhos para o seu desenvolvimento.

Aos poucos, novos produtos foram criados, as instalações foram renovadas e ampliadas, equipamentos modernos foram adquiridos.

Mais tarde também a irmã de Marcos e Cláudio, Lúcia Oderich Moreira, passou a integrar a administração, cuidando especialmente do patrimônio humano da empresa.

Em homenagem à Dona Elisabetha, a creche administrada pela empresa recebeu o carinhoso nome de “Vó Beth”. (Fonte: Site da Conservas Oderich e Cahy City News)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here