Placas anunciam melhorias na RSC 287, mas até agora só foi feita uma raspagem Crédito: Guilherme Baptista/FN

Durante visita na localidade da Costa da Serra, onde anunciou que brevemente serão retomadas as obras na RS 411, que teve os trabalhos interrompidos em outubro do ano passado, o secretário dos transportes do Estado, Juvir Costella, foi também questionado pela reportagem do Fato Novo sobre a situação da RSC 287, no trecho de 7 quilômetros de Montenegro que foi assumido pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR).

Juvir Costella disse que vem sendo bastante cobrado. Citou a necessidade de intervenções apontadas em projeto, como rotatórias e vias laterais. “A EGR está num processo de enxugamento. Estamos definindo o papel do Daer e da EGR. Entendemos que não é o papel do Governo cuidar de praça de pedágio, que deve ser transferida para a iniciativa privada, abrindo-se as concessões. O Estado tem que cuidar de educação, saúde e segurança”, declarou. Mesmo assim diz que os estudos técnicos da EGR estão em fase de conclusão. Entretanto, tem que se buscar a viabilidade financeira. “Não podemos iniciar obras sem recursos. Só inicio quando tem o dinheiro necessário para começar e terminar”, ressaltou.

O secretário estadual dos transportes disse que não existe previsão para as obras visando aumentar a segurança na RSC 287. “Tem previsão de conclusão de projeto para que se busque recursos financeiros. Quando estiverem disponibilizados recursos, algumas intervenções prioritárias poderão ser feitas”, cita o secretário. As obras mais urgentes seriam entre os bairros Santo Antônio e Panorama, como construção de rótulas, já que os acidentes são freqüentes e a travessia é cada vez mais difícil. A Prefeitura, na administração passada, já chegou a adquirir sinaleiras, que não foram instaladas, além da população ter realizado vários protestos pedindo pelas obras visando aumentar a segurança. O atual governo municipal repassou 200 mil reais para a EGR elaborar o projeto para as melhorias, o qual ainda não está pronto. A preocupação é como fica o trecho, entre o Trevo do Shell e o Trevo do Frigonal, assumido pela EGR no final de 2017, caso a Empresa Gaúcha de Rodovias seja extinta, como mencionou o governador Eduardo Leite. A dúvida é se em caso de extinção da EGR, o trecho volta para o Daer ou passará para a iniciativa privada. E principalmente quando de fato as obras vão ocorrer.

Decepção

Para o presidente da União Montenegrina de Associações Comunitárias (UMAC), Airton Quadros, morador do bairro Panorama e que esteve na Costa da Serra, é mais uma frustração para a comunidade, que tanto vem lutando por mais segurança na travessia da RSC 287. Ele cita que atualmente os próprios moradores ajudam as crianças a atravessar a faixa, principalmente no horário de saída da escola, junto aos bairros Panorama e Santo Antônio. “Não resolve vir tirar foto e enrolar. Agora ficou ainda pior, pois falou que não tem recurso e nem previsão”, protesta.

O vereador Joel Kerber, que também vem lutando pelas melhorias junto a EGR e Governo do Estado, diz que vê com muita tristeza a manifestação do secretário de que não existe previsão para as obras. “O projeto está pronto e esperávamos que pelo menos uma parte fosse executada. Mas não vamos desistir. Queremos obras”, declarou. Joel estranha que agora falam em só fazer as obras se tiver aumento na tarifa do pedágio de Portão. “Fomos pegos de surpresa com isso”, completa.

Bananeira e placa

Uma forma de protesto inusitado, que já ocorreu em outras cidades do Estado e do país, chegou a Montenegro no último final de semana. Uma bananeira foi plantada em um dos vários buracos na via lateral da RSC 287, perto da estação rodoviária, como forma de protestar contra a demora para melhorar as condições das vias. No local, também conhecido como trevo da Renauto, junto ao cruzamento da RSC 287 com a rua Coronel Antônio Inácio, são muitos os buracos. O mesmo acontece em outros pontos da rodovia, como no cruzamento com a rua Ramiro Barcelos, no chamado trevo do Ipiranga, além de próximo da loja Taqi, no bairro Panorama, Trevo do Shell e outros locais. Um engradado de bebidas chegou a ser usado para tapar uma cratera na via lateral junto ao bairro Panorama. Já na ponte seca, do viaduto da antiga rede ferroviária, onde tinha um buraco e cedeu junto à cabeceira, com veículos desviando para a contramão, o que poderia causar uma tragédia, moradores próximos compraram material e taparam a cratera.

A Prefeitura, após solicitação, recebeu autorização da EGR para tapar buracos em vias laterais, como junto ao bairro Santo Antônio, entre o cruzamento com a rua Ramiro Barcelos (Trevo do Ipiranga) e a rua Apolinário de Moraes, perto da loja Taqi. Segundo o prefeito Kadu Müller, a EGR está com processo de revitalização da pista de rolamento e depois a Prefeitura vai tapar os buracos nas vias laterais.

Através de uma grande placa, colocada faz mais de uma semana em frente ao Parque Centenário, a EGR informa que serão realizadas obras de manutenção do pavimento da RSC 287, entre o cruzamento com a BR 470 (Trevo do Shell) até a entrada para a ERS 411 (Trevo do Frigonal), num trecho de 7 quilômetros. A empresa responsável pela obra será a Encopav Engenharia, com investimento de R$ 1,5 milhão e prazo de execução em seis meses. A reportagem fez contato com a EGR sobre quando devem iniciar os trabalhos, mas até ontem não foi recebida a resposta.

 

Deixe seu comentário