Campanha para que menina montenegrina não perdesse a perna teve grande mobilização e os resultados são ótimos - Reprodução/FN

Uma ótima notícia neste domingo chuvoso de 27 de outubro. A menina Natália Barbosa Tavares, de 9 anos, moradora de Montenegro, deu hoje os seus primeiros passos sozinha. “É a primeira vez que ela está fazendo alguns exercícios de marcha sem a presença do andador”, informa o pai, Claudio Tavares. “É muito bom ver ela assim. Está com o equilíbrio bom. A perninha ficou um pouco mais curta ainda, mas recuperou bem e tá numa felicidade só”, relatou o pai, através de um vídeo em que mostra “Nati” caminhando pela cozinha de sua casa. “Obrigado a todos que nos ajudaram nesta caminhada. Os frutos estão começando a aparecer”, agradece. E no final do vídeo Natália manda seus amorosos beijinhos.

Foi imensa a mobilização em Montenegro, na região, Estado e até cidades de fora do rio Grande do Sul, para ajudar Natália em sua luta por salvar sua perna. O tratamento da menina montenegrina, que já tinha superado um tumor anterior, só foi possível graças à colaboração da comunidade. A campanha foi muito além da expectativa, angariando os recursos suficientes para a cirurgia, compra do aparelho importado dos Estados Unidos e o tratamento. Através do tratamento e colocação do aparelho em Curitiba (Paraná), foi concluído o alongamento ósseo da perna. Mesmo em tratamento, Natália nunca deixou de lado seus estudos, em casa ou na Escola Walter Bellian.

Natália é um exemplo de superação
– Arquivo/:FN

Após uma fratura na tíbia da perna esquerda, Nati fez uma cirurgia cinco anos atrás. Só que ao ser retirado o aparelho fixador externo de Ilizarov, notou-se que não se consolidou e surgiu o temor de necessidade de amputação da perna. Os pais, Claudio e Daniela, mais a irmã Franciele, e demais familiares e amigos, foram atrás de alternativas para enfrentar o problema da Neurofibromatose (NF1), uma doença neurológica rara. A primeira notícia era de que o tratamento só poderia ser feito nos Estados Unidos, o que geraria um custo muito elevado. Mas depois de uma viagem para o Paraná, veio a notícia de que a cirurgia, com a colocação do aparelho, poderia ser feita em Curitiba. Com isso a despesas caíram pela metade. Uma grande mobilização foi feita junto à comunidade para garantir os recursos necessários para o tratamento. Através das doações por contas bancárias, no site Vakinha, rifas e outras iniciativas, foram arrecadados recursos suficientes para a compra do aparelho e despesas médicas.

Após a retirada do aparelho, Nati caminhava com o apoio de um andador. Mas agora já está dando os primeiros passos sozinha. Com isso, a simpática e carismática menina montenegrina está ainda mais feliz. E não cansa de agradecer a todos pelo apoio.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here