Edina Brito de Oliveira era bastante conhecida e estimada - Reprodução/FN

Faleceu nesta quarta-feira, dia 22, dona Edina Brito de Oliveira. Ela tinha 102 anos de idade e estava internada, vindo a falecer em decorrência de uma pneumonia.

Dona Edina era natural da localidade de Entrepelado, um distrito do município de Taquara, onde nasceu em 27 de julho de 1917.

Conforme a filha, Iara, de 74 anos, a mãe veio morar em Montenegro quando o marido, Osvaldo Irineu de Oliveira, que trabalhava como telegrafista (operador de telégrafo) da Viação Férrea, foi transferido para a Estação Ferroviária do município, onde hoje está a Estação da Cultura. Dona Edina, que trabalhava como costureira, deixou um casal de filhos: Iara e Airton. Viúva faz 38 anos, teve ainda seis netos, nove bisnetos e dois tataranetos.

Em julho do ano passado recebeu amigos e familiares numa festa na casa da neta Verônica, em Canoas. “Ela era muito social e querida por todos”, lembra Verônica. No dia seguinte acabou dando um susto. Teve que ser internada no Hospital Unimed, em Montenegro, também em decorrência de pneumonia. Na época se recuperou e teve alta do hospital, retornando para casa, na Rua São João, no centro de Montenegro. “A mãe comia bem, caminhava e gosta de sentar na frente de casa para ver o movimento e conversar”, recorda Iara.

Além do trabalho na costura, sempre foi bastante prestativa e ativa. Costumava aplicar injeções em quem precisava. Tinha carteira de habilitação e dirigiu até os 90 anos. Também costumava participar dos eventos da sociedade montenegrina junto com o marido e sempre foi bastante religiosa. Getulista, gostava de política e chegou a conhecer pessoalmente o então presidente Getúlio Vargas. Entre seus ensinamentos, sempre destacou a importância do trabalho e educação.

O sepultamento ocorreu no final da tarde de hoje, quarta-feira, no Cemitério Municipal de Montenegro, com o acompanhamento de familiares e amigos.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here