Edina Brito de Oliveira era bastante conhecida e estimada - Reprodução/FN

Dona Edina Brito de Oliveira nasceu na localidade de Entrepelado, um distrito do município de Taquara, em 27 de julho de 1917. Portanto, no sábado retrasado completou 102 anos de idade.

Conforme a filha, Iara, de 74 anos, a mãe veio morar em Montenegro quando o marido, Osvaldo Irineu de Oliveira, que trabalhava como telegrafista (operador de telégrafo) da Viação Férrea, foi transferido para a Estação Ferroviária do município, onde hoje está a Estação da Cultura. Dona Edina, que trabalhava como costureira, tem um casal de filhos: Iara e Airton, de 82 anos. Viúva faz 38 anos, teve ainda seis netos, nove bisnetos e dois tataranetos.

No dia do aniversário, dona Edina recebeu alguns familiares e amigos, numa festa na casa da neta Verônica, em Canoas. “Ela é muito social e querida por todos”, ressalta Verônica. No dia seguinte acabou dando um susto. Teve que ser internada no Hospital Unimed, em Montenegro. “Estava com pneumonia”, diz Verônica, que cuidou da avó. Mas logo dona Edina se recuperou e no início desta semana teve alta, retornando para casa, na Rua São João. “A mãe come bem, caminha e gosta de sentar na frente de casa para ver o movimento e conversar”, cita Iara.

Além do trabalho na costura, sempre foi bastante prestativa e ativa. Costumava aplicar injeções em quem precisava. Tinha carteira de habilitação e dirigiu até os 90 anos. Também costumava participar dos eventos da sociedade montenegrina junto com o marido e sempre foi bastante religiosa. Getulista, gostava de política e chegou a conhecer pessoalmente o então presidente Getúlio Vargas. Entre seus ensinamentos, sempre destacou a importância do trabalho e educação.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here