Residencial ABAMF fica próximo do CRPO da Brigada Militar - Crédito: Juarez Oliveira

Quem passa pela Rua Albano Coelho de Souza, entre o 5º BPM e o CRPO Vale do Caí, se surpreende com a rapidez que está andando a obra do Residencial Abamf. Um total de 54 casas estão em construção, todas do mesmo modelo, destinadas a profissionais da área da segurança pública e seus familiares.

Residencial ABAMF está sendo construído entre o 5º BPM e o CRPO
– Crédito: Juarez Oliveira/Reprodução

 

Conforme o presidente da Abamf de Montenegro, Almiro da Silva, e Juarez Oliveira, do setor de comunicação, a previsão é de conclusão do residencial já em junho deste ano. “Foi uma luta de mais de dez anos”, lembra Almiro, citando que a infraestrutura é da empresa JBFP e a construção das casas pela empresa Gomes e Peixoto.

Residencial terá 54 casas e deve ser concluído em junho
– Crédito: Juarez Oliveira/Reprodução

Foi aberta uma via que servirá como continuação da rua Paulo Ribeiro Campos. No foram pavimentadas quatro ruas, com bloquetos em PAVS. Antigamente chamado de Condomínio Brigadiano, o Residencial Abamf vai beneficiar policiais militares e civis, bombeiros, agentes da Susepe, guardas municipais e do Exército. A grande maioria das 54 casas, todas com moradores já definidos, serão de brigadianos de Montenegro, mas também terão alguns da região. Cada casa terá 70,5 metros quadrados de área construída, com três quartos. Cada beneficiado deve pagar 159.870, com financiamento em até 30 anos pela Caixa Federal, através do programa Minha Casa Minha Vida.

A área do loteamento, de 16.462 metros quadrados, era do município e foi doada para a Abamf. Será uma forma de incentivar a permanência dos policiais no município e na região, além de poder atrair mais policiais. No local terá ainda uma praça. Durante a construção, o canteiro de obras está fechado com tapume, para garantir a segurança. O investimento total na obra supera os R$ 9 milhões.

A sede da Abamf fica ao lado do residencial, com salão social, cancha de bocha e quadra de futebol de areia.

Almiro, que ficou 14 anos na presidência da Abamf e foi um dos grandes batalhadores pelo residencial, lembra que não será um condomínio fechado, ou seja, terá ruas que poderão ser aproveitadas pelo restante da comunidade, inclusive com a continuação da Rua Paulo Ribeiro Campos na ligação com a Albano Coelho de Souza.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here