Lideranças da região participaram de reunião hoje na Secretaria da Saúde do Estado - Crédito: Sílvio Kael/Câmara de Montenegro

O Hospital Montenegro (HM) passará a ser a referência para 14 municípios do Vale do Caí nas especialidades de traumatologia e neurologia. O assunto foi tema de reunião em Porto Alegre nesta quarta-feira, dia 26, entre a secretária da Saúde, Arita Bergmann, prefeitos e secretários das cidades que compõem a Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (Amvarc).

O trâmite agora para que o hospital possa começar a receber os pacientes encaminhados pelos municípios da região ainda depende de adequações técnicas a serem feitas, a montagem de uma proposta assistencial e a discussão e acordos entre os gestores locais. A proposta abrange os residentes de Montenegro, Barão, Brochier, Capela de Santana, Harmonia, Maratá, Pareci Novo, Salvador do Sul, São José do Sul, São Pedro da Serra, São Sebastião do Caí, Tabaí, Triunfo e Tupandi, que somados têm uma população de 177 mil habitantes.

Durante a reunião, a secretária Arita destacou que a medida possibilitará que essas pessoas tenham um atendimento em alta complexidade mais próximos de seus locais de moradia, já que, até então, para esse tipo de serviço há a necessidade de deslocamento até Canoas.

Mobilização

O Hospital Montenegro se tornar referência regional em traumatologia e neurologia é uma grande conquista que foi resultado da mobilização do Vale do Caí. Prefeitos, secretários de saúde e lideranças já tinham tratado do assunto na última reunião da AMVARC, no Caí, com a presença da secretária Arita Bergmann. Passando a referência de Canoas para Montenegro vai facilitar o acesso. Ainda é preciso vencer algumas etapas para transferir o teto financeiro dos pacientes da região hoje atendidos em Canoas, além da aprovação junto ao Ministério da Saúde.

O diretor do HM, Carlos Batista da Silveira, disse que a documentação por parte do Hospital está em andamento

Demonstrando empenho em transformar o desejo da região em realidade, a secretária Arita Bergmann foi sendo objetiva nas etapas. Ela já tratou do assunto com Canoas, que é uma das ações dentro do processo. “No que depender de nós, esta transferência de teto vai acontecer”, afirmou. Avançando, Arita passou para a questão dos custos e atendimentos. Devem ser abertos oito leitos no HM para atender especificamente essa área da alta complexidade, sendo realizadas 27 cirurgias/mês, num total de 320 por ano. Destas 8% devem ser destinadas para a alta complexidade e as demais para média complexidade. O repasse previsto para o novo serviço é de R$ 600 mil ao ano.

Ainda na mesma reunião, outra boa notícia é a possibilidade do Consórcio Cis/Caí passar a comprar exames do Hospital Montenegro. A secretária Arita já orientou os técnicos sobre como viabilizar a medida.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here