HM só irá atender casos de urgência e emergência - Arquivo/FN

O Hospital Montenegro (HM) completa 88 anos na próxima sexta-feira, dia 22 de fevereiro. Maior casa de saúde do Vale do Caí, atende toda a região e demais municípios de forma totalmente gratuita, através do 100% SUS, num total de mais de 200 mil pessoas. Mas a situação financeira do HM continua difícil, principalmente em razão dos atrasos nos repasses do Governo do Estado.

Conforme o diretor administrativo do Hospital Montenegro, Carlos Batista da Silveira, os atrasos do Estado ocorrem desde setembro do ano passado, já somando mais de 6 milhões de reais. E para piorar, ocorreram cortes nas verbas. Para um hospital que depende exclusivamente de recursos públicos, fica difícil manter o atendimento. Por isso algumas especialidades médicas, incluindo também cirurgias, tiveram o serviço suspenso. Pagamentos de médicos e fornecedores estão atrasados. O pagamento dos demais funcionários só está em dia graças a um empréstimo contraído no ano passado. Mas o dinheiro está terminando e não se sabe como vai ser o futuro. “Não sei até quando conseguiremos manter o atendimento”, teme o diretor Batista.

O atraso nos repasses foi tema de reunião dos prefeitos e vereadores com o governador Eduardo Leite, nesta semana, no Palácio Piratini. Mas ainda não se tem uma previsão quanto aos pagamentos. Enquanto isso, a situação fica cada vez mais difícil. Equipamentos que estão instalados, como o mamógrafo adquirido quatro anos atrás pelo município, ainda não estão realizando exames por falta de recursos. É preciso um aditivo ao contrato com o Estado, segundo a direção do HM, para o hospital poder beneficiar as mulheres de Montenegro e da região com cerca de 500 exames por mês.

Plantão deve fechar

O diretor do HM, Carlos Batista da Silveira, informou também que o pronto atendimento, no plantão médico, deve fechar ainda neste ano. “Só vamos atender urgência e emergência”, declarou, citando os altos gastos com o plantão. “O pronto atendimento, das 19h às 7h, tem um custo de cerca de R$ 120 mil por mês”, justificou. “Nosso contrato com o Estado é de porta aberta para urgência e emergência”, completou.

A situação já foi passada em reunião com os prefeitos e secretários de saúde dos municípios que encaminham pacientes para o Hospital Montenegro. “Os municípios terão que se estruturar e ter seu próprio pronto atendimento”, disse Batista, sobre onde não existe plantão médico. Todos os municípios possuem postos de saúde, mas só durante o dia, sem atendimento de noite, finais de semana e feriados. É quando só resta o plantão do hospital.

Em Montenegro a Prefeitura implantará um pronto atendimento na Secretaria da Saúde a partir de março
– Crédito: ACOM/Prefeitura

A Prefeitura de Montenegro já está se estruturando para implantar um pronto atendimento (PA) 24 horas junto a Secretaria Municipal da Saúde (Assistência Social), no bairro Timbaúva. Conforme o prefeito Kadu Müller, o PA já deve começar a funcionar a partir de março. No local já tem atendimento médico de noite durante a semana. Mas agora passará a ter 24 horas e também em finais de semana e feriados. Só casos mais graves serão encaminhados ao Hospital Montenegro.

88 anos

Para comemorar os 88 anos do Hospital Montenegro, será realizada uma programação especial na próxima sexta-feira, dia 22.

A partir das 14h, no próprio hospital, terá a apresentação da exposição de fotos contando a história da casa de saúde desde a sua inauguração em 1931, reinauguração do CME, inauguração do equipamento Arco Cirúrgico e do espaço de convivência dos colaboradores, apresentação do protocolo de Sepse, demonstração de equipamentos adquiridos através da consulta popular e emendas parlamentares, e coquetel de aniversário.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here