Larissa Santos, que voltou de viagem para a Europa, estava em isolamento domiciliar e agora pode voltar a ter uma vida normal - Facebook/Reprodução

Mais uma boa notícia chegou a Montenegro na tarde desta sexça-feira, dia 6. Após exames de laboratório, um segundo caso de coronavírus na cidade foi descartado. Agora só resta um caso suspeito, que ainda não teve o resultado do exame divulgado.

Conforme a secretária municipal de saúde, Cristina Reinheimer, ainda está se aguardando o resultado do laudo do terceiro caso suspeito. “De agora em diante o Lacen (Laboratório Central do Estado) também vai fazer a coleta. A gente não vai mais precisar mandar para São Paulo. Isso vai agilizar bastante“, ressalta. Antes dependia dos exames no Hospital Albert Einsten, em São Paulo. O único caso suspeito permanece em isolamento domiciliar.

O anúncio de dois casos suspeitos, na semana passada, causou apreensão em Montenegro. Segundo a secretaria da saúde, os pacientes estiveram em viagem para a Europa e apresentaram sintomas da doença, os mesmos da gripe, como febre, tosse e coriza. As pessoas com quem tiveram contato, como familiares e amigos, também foram monitoradas, mas não apresentaram sintomas.

Em Montenegro já foi formado um comitê, com representantes dos hospitais Montenegro e Unimed, além da Vigilância Sanitária e Secretaria Municipal da Saúde, que inclusive já realizou reuniões. E todos os médicos e profissionais da saúde estão sendo orientados a notificarem a Vigilância em Saúde quando tomarem conhecimento de casos suspeitos. Foi também criado um plano de contingência da população, caso ocorra uma epidemia. Mas com as medidas de prevenção sendo adotadas a expectativa é de que não tenha nenhum caso confirmado

Montenegrina com primeiro caso suspeito de coronavírus comemora resultado negativo

Larissa Santos, de 22 anos, postou uma nota de esclarecimento, no dia 29 de fevereiro, nas redes sociais, revelando que era o primeiro caso suspeito de coronavírus em Montenegro. Com muita coragem, decidiu fazer a postagem porque o fato tinha alcançado grande proporção e queria acabar com as especulações. Pediu respeito não só com elas, mas também com seus familiares.  “Fiquei assustada quando soube que ia ficar em isolamento, mas o que me assustou mais nesta história toda foi o que alguns montenegrinos escreveram sobre mim, sem me conhecer ou até mesmo sem saber quem sou. Sim, as vezes o ser humano assusta bem mais do que um suposto vírus”, declarou, recebendo o apoio em mais de 400 comentários no facebook.

Em conversa com a reportagem, Larissa explicou que estava cansada de receber mensagens e ler coisas horríveis nas redes sociais. “Quis acabar com as especulações e por isso escrevi o texto”, justificou, mostrando várias postagens de pessoas desinformadas e que de forma maldosa atacaram ela e sua família. E como prometeu, assim que recebeu o resultado, dando negativo para coronavírus, fez nova postagem nesta sexta-feira:

“Oi gente, tô aqui pra dizer, como prometido, que o resultado saiu, e DEU NEGATIVO! Não sou mais uma suspeita do famoso Corona vírus!!!
Incrível como algumas coisas passam na nossa vida para nos amadurecer e ensinar né?
Esses dias fizeram eu dar valor pra coisas pequenas, simples e comuns…e ainda me mostrar o quão sortuda sou por tudo o que faço e tenho!
Agora é hora de agradecer por todo esse carinho e apoio que recebi durante esse tempo, isso me fez ficar mais calma e me sentir menos sozinha❤
Vou sair com os amigos, ver minha família, trabalhar, estudar, andar por aí, sair de casa!
Gratidão de verdade, um beijo bem grande em cada um de vocês. Tô tão feliz, tô livre, tô de volta!”

INFORMAÇÕES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE:

O que é coronavírus?

Crédito: Reprodução/FN

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como o coronavírus é transmitido?

As investigações sobre as formas de transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo. Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1m) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada.

Alguns vírus são altamente contagiosos (como sarampo), enquanto outros são menos. Ainda não está claro com que facilidade o coronavírus se espalha de pessoa para pessoa.

Apesar disso, a transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Os coronavírus apresentam uma transmissão menos intensa que o vírus da gripe.

O período médio de incubação por coronavírus é de 5 dias, com intervalos que chegam a 12 dias, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

A transmissibilidade dos pacientes infectados por SARSCoV é em média de 7 dias após o início dos sintomas. No entanto, dados preliminares do coronavírus (SARS-CoV-2) sugerem que a transmissão possa ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas. Até o momento, não há informaçõesção suficientes de quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus.

Como é feito o diagnóstico do coronavírus?

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária a coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus.

As duas amostras serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.

Orienta-se a coleta de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

Os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

Como é feito o tratamento do coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

  • Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse.

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Todos os pacientes que receberem alta durante os primeiros 07 dias do início do quadro (qualquer sintoma independente de febre), devem ser alertados para a possibilidade de piora tardia do quadro clínico e sinais de alerta de complicações como: aparecimento de febre (podendo haver casos iniciais sem febre), elevação ou reaparecimento de febre ou sinais respiratórios, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos), dor pleurítica (dor no peito), fadiga (cansaço) e dispnéia (falta de ar).

Quais são os sintomas do coronavírus?

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus (SARS-CoV-2) ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.

Os principais são sintomas conhecidos até o momento são:

  • Febre
  • Tosse
  • Dificuldade para respirar.

 Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here