Obra da RS 411 em Costa da Serra está abandonada desde outubro do ano passado - Guilherme Baptista/FN

O fornecimento de asfalto para obras e serviços em rodovias estaduais já está em condições de ser retomado. Segundo o secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella, o Estado quitou a maior parte dos valores devidos à empresa Stratura, referentes a 2018. A dívida era o maior obstáculo para a realização de obras, muitas delas paradas devido a falta de material asfáltico.

Até o momento, o governo pagou R$ 11,5 milhões dos R$ 13 milhões devidos à subsidiária da Petrobras. Com isso, a empresa repassará, em um primeiro momento, 400 toneladas do material ao Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). A autarquia já começou a distribuir o asfalto às superintendências regionais.

Segundo Costella, um cronograma será elaborado com o Daer para atender os trechos que estão em piores condições de manutenção. “Vamos definir de forma criteriosa onde aplicaremos as primeiras cargas de asfalto”, disse o secretário. “O primeiro grande passo foi dado. Agora, temos que definir com urgência onde concentraremos nossas ações, para que possamos devolver as condições de trafegabilidade às nossas estradas”, completou.

Prioridade para a RS 411

No Vale do Caí, a rodovia em piores condições é a RS 411, que liga Montenegro, Brochier e Maratá. Uma obra no trecho da localidade de Costa da Serra, em Montenegro, foi iniciada em setembro do ano passado, com a retirada do asfalto antigo em alguns trechos mais esburacados. Só que em outubro, logo após as eleições, a obra foi paralisada, sem ter sido concluída. Faltou justamente à recolocação do asfalto, deixando a rodovia em péssimas condições, com muitos buracos, desníveis e poeira. Motoristas trafegam na contramão, tentando desviar dos buracos, o que aumenta o risco de acidentes.

A situação precária da RS 411 já foi tema de várias reportagens no Fato Novo e já ganhou repercussão estadual, sendo destaque também na RBS TV e outros veículos do Estado. A rodovia, que já é perigosa, tendo sido palco de vários acidentes, inclusive com mortes, está agora com um risco ainda maior.

Além da RS 411, outras rodovias da região estão com buracos e desníveis, que tendem a aumentar com a chegada do outono, período de maior incidência de chuvas e umidade. Por isso a necessidade urgente de manutenção, o que deve ocorrer agora com a chegada do asfalto.

1 COMENTÁRIO

  1. Pois é uma vergonha mesmo ese trás o da estrada que liga Montenegro a brochier não tem mais condisois de andar mais e cara contra mão porq não tem como passar mais porq cada dia que pasa fica pior fora os acidentes que ocorrem nese treso

Deixe seu comentário