Ecocitrus tem usina de compostagem e estava aplicando resíduos no campo Crédito: Ecocitrus/Reprodução
Faz vários dias que a comunidade montenegrina vem reclamando de mau cheiro em vários pontos do município. Nas redes sociais, como pelo facebook e whatsApp, eram muitos os protestos, com as pessoas se queixando de um odor semelhante a cheiro de esgoto ou esterco, se espalhando por vários bairros, centro e até interior. E a queixa já acontece faz cerca de três meses, vindo a piorar no início deste ano.
Na última semana, a Administração Municipal de Montenegro solicitou a suspensão das atividades da empresa cujo ramo é a produção de fertilizantes para aplicação de uso agrícola, confeccionados através de materiais orgânicos. Ela seria a causadora do mau cheiro.
Segundo a Prefeitura, a medida é provisória e foi realizada devido ao forte cheiro no ar do município nos últimos dias. A ação foi conduzida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente na tarde da última quarta-feira, dia 30 de janeiro.
Influência do calor
De acordo com o secretário municipal de meio ambiente, Adriano Chagas, a empresa é regulamentada pela FEPAM e possui toda documentação em dia. “Esse cheiro que se instala em determinados momentos no ar de nossa cidade, tem forte relação e é influenciado pela bolsa de ar quente que está instaurada no Rio Grande do Sul. Apesar da empresa ser licenciada do Estado, como fiscalizadores optamos por solicitar a suspensão das atividades por ora” – explica secretário.
Com a suspensão, a empresa não tem permissão para realizar a incorporação de resíduos industriais em solo agrícola. Adriano destacou que a Secretaria do Meio Ambiente segue atenta ao caso e outras manobras podem ser realizadas, se necessário for. O retorno das atividades está vinculado à autorização prévia da Secretaria do Meio Ambiente. Isso só deve ocorrer quando a temperatura baixar, impedindo que o mau cheiro se espalhe pela cidade.
Ecocitrus assume
A Ecocitrus, que tem uma usina de compostagem de resíduos industriais no Passo da Serra, através de sua diretoria, assumiu publicamente responsabilidade pela geração de mau cheiro. O problema estaria na aplicação do resíduo no solo para a agricultura, o que teria causado o odor.
Conforme o presidente da Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí – Ecocitrus, Ademar Henz, o problema seria na falta de maturação do líquido aplicado no solo. Ele destacou que medidas estão sendo tomadas para resolver e que um novo processo, através de biodigestores, será utilizado.
Conforme o vice-presidente da Ecocitrus, Ernesto Kasper, estavam sendo feitos testes na aplicação de fertilizantes. “É um processo de transição, com a utilização de biodigestor para a fase de captação de gás metano. E associado ao clima, acabou ocasionando os odores”, explica. Ele diz que a aplicação do fertilizante foi suspensa, mas a usina continua operando. Lembra ainda que o mau cheiro pode estar sendo gerado também por outras empresas.  “Várias empresas geram resíduos e não podem parar de produzir”, afirma. Diz que está sendo tomado mais cuidado na aplicação no campo, com maior controle. Mesmo com as medidas, as reclamações de mau cheiro continuam. Isso aumenta a suspeita de que o fedor seja provocado também por outras fontes, o que deve ser fiscalizado.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here