Nos primeiros meses deste ano a falta de chuva já deixou vários municípios em situação de emergência e o temor é de nova seca - Crédito: Prefeitura de Feliz

Foi declarada situação de emergência no município de Feliz em virtude de situação anormal provocada por estiagem, que causou danos e prejuízos à população e à economia local. Esta situação de anormalidade afeta com maior intensidade a área rural, bem como está a afetar a armazenagem de reservatórios de água e açudes da área rural que já estão em níveis próximo ao crítico.

 

De acordo com a Defesa Civil, a cidade de Feliz encontra-se em um período de estiagem desde janeiro de 2020. Conforme balanços levantados pela equipe, entre janeiro e fevereiro desse ano ocorreram apenas três chuvas acima de 25 mm e uma acima de 100 mm. No mês de março não houve registros de nenhuma chuva acima de 10 mm, registrando apenas quatro períodos de chuva totalizando 14 mm. “Quatro famílias encontram-se sem o abastecimento de água potável pois, os poços artesianos onde encontrava-se o recurso, secou. Uma família é da localidade de Roncador e 3 famílias da localidade de Bananal”, informa o órgão.

 

A estiagem na área rural ocasionou a diminuição considerável da capacidade de exploração da água, causou perdas consideráveis nas lavouras de milho, alfafa, figo, goiaba, uva, repolho, brócolis, couve-flor, batata doce e pêssego. Conforme levantamento da Emater/Ascar e da Secretaria da Agricultura, Feliz registra grandes perdas agrícolas, afetando também a agropecuária.  “As projeções meteorológicas apontam para o fenômeno La Niña no estado do Rio Grande do Sul, o que levará ao agravamento da estiagem. Penalizando os produtores a médio e a longo prazo, impossibilitando-os de recuperar a renda nos cultivos de inverno e primavera/ verão”, aponta o levantamento.

 

Falta de chuva causa grandes prejuízos na agricultura
– Crédito: Prefeitura

Ainda segundo os dados repassados pela Emater, o cenário de estiagem atual associado as previsões futuras são desanimadores, sinalizando perdas agrícolas significativas no município de Feliz e gerando grande impacto para economia do município, já que o “agro” corresponde a 35% da arrecadação.

 

A situação é muito crítica. O agricultor Yuri Gayer, do Vale do Lobo, relata muitos problemas da seca, para irrigação de olerícolas, impossibilitando início dos cultivos de outono/inverno. “O ponto de reservatório de água que utilizamos para molhar as nossas plantações já está praticamente seco. Dá quase para ver o cano de captação de água. Está bem próximo de chegar ao final. Inclusive, foi se criando capins nas beiradas, conforme a água foi diminuindo. Desde dezembro que não chove significativamente para o reservatório encher novamente”, conta. “A situação da nossa plantação de tomate, por exemplo. As mudas são plantadas em dezembro e deveria estar no momento de plantio. Mas muitas estão morrendo devido à seca e a maioria não está crescendo por falta de água”, acrescenta o produtor.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here