Igreja de Nossa Senhora da Purificação em Bom Princípio, construída em 1871, é uma das mais belas da região Reprodução/FN

A religiosidade no Vale do Caí é tema de especial interesse do pesquisador montenegrino Carlos Barreto. Dos seus estudos extraímos o seguinte levantamento sobre os líderes da igreja surgidos no Vale do Caí.

Os povos germânicos que colonizaram o Vale do Caí trouxeram da Europa muitos valores, como a dedicação ao trabalho, a capacidade de superar desafios diante das grandes dificuldades encontradas no início da colonização do Vale do Caí.

Merece ser salientado o fato de que o êxito dos 20 municípios do Vale e as mais de 100 comunidades que os compõem se deveu muito à agregação humana que teve como centro o clube social, a escola e a igreja.

No que se refere à educação, os elevados índices alcançados na região se deve muito ao interesse dos colonizadores pioneiros e aos esforços dos padres jesuítas e dos pastores luteranos neste sentido. Enfrentando as dificuldades da época, eles incentivaram muito a criação das escolas paroquiais e comunitárias. Com isto criou-se uma forte tradição, arraigada na cultura do povo regional, de positiva valorização da educação, sendo que o resultado disto se reflete nos bons índices educacionais observados nos dias de hoje.

Com isto, muitas pessoas nascidas no Vale do Caí se projetaram nas artes, na política, nas ciências e em todos os campos da cultura. Mas a região é especialmente rica em vocações de pessoas que se dedicam mais diretamente aos serviços religiosos, como sacerdotes, pastores, irmãos e irmãs, devido à dedicação do povo para esta causa.

Nossos bispos espalhados pelo Brasil

Para ilustrar a importância que é dada à Fé em Deus na região, passamos a nominar os atuais bispos que são naturais deste Vale.

– Dom Cláudio Hummes, que nasceu em Batinga, no município de Brochier. Após, sua família mudou-se para Salvador do Sul. Éx- Cardeal-Arcebispo de São Paulo, hoje prefeito no vatcano para o clero. Foi cotado para ser papa.
– Dom Aloísio R. Oppermann, natural de São Vendelino, é o Arcebispo Metropolitano de Uberaba – MG.
– Dom Jacó Hilgerth, nasceu em Harmonia e é Bispo Emérito de Cruz Alta.
– Dom Sinésio Bohn, dirige a diocese de Santa Cruz do Sul.
– Dom Mário Stroher, natural de Picada Cará, Feliz, é bispo da cidade de Rio Grande, RS.
– Dom Zeno Hastenteufel, natural de Linha Francesa Alta, no município de Barão. É o pastor da diocese de Novo Hamburgo. Destacou-se na comunicação radiofônica.
– Dom Jacinto Bergmann, que é o mais jovem sucessor de São Pedro, nasceu em Alto Feliz e é Bispo Auxiliar de Pelotas.
– Dom de são roque feliz Dom Remídio José Bohn, Bispo Auxiliar
– Dom Jacinto Flach, de Morro São Pedro, Bom Principio, que é o bispo do Vicariato de Camaquã e Guaiba, futura diocese.cac
– Dom Jaime Kohl, de Linha Carolina, Poço das Antas, atual bispo de Osório
– Dom Aloisio Dill, natural de Boa Vista, no município de Poço das Antas, que é o bispo de Uruguaiana
– Dom Bruno Maldaner, natural de Nova Petrópolis, atual bispo de Frederico Westphalen.
Também é da região o falecido Dom Ivo Lorscheiter, natural de São José do Hortêncio, que dirigiu a diocese de Santa Maria e foi presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Bispos do Vale

Os bispos relacionados acima são os que, sendo naturais da região, estão atualmente no exercício de suas funções. Mas é bom relembrar, entre os que já se foram, os nomes dos três arcebispos também naturais desta terra que fizeram excepcional trabalho eclesiástico, educacional e de promoção da saúde e bem estar social: cardeal Dom Vicente Scherer, natural de Bom Princípio; Dom Cláudio Colling, de Harmonia e Dom João Becker, nascido na Alemanha, que viveu a sua infância em General Neto Baixo, no município de Barão. E também o do atual Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre, Dom Dadeus Grins.

Considerando a grande influência que os bispos exercem sobre a condução da Igreja Católica e a importância desta no Brasil, que é o maior país católico do mundo, é motivo de grande orgulho para a região haver contribuído para a formação de várias das mais notáveis lideranças católicas brasileiras. E este fato demonstra o quanto era forte o espírito de religiosidade e o empenho na educação dos colonos alemães que para cá vieram. Tão forte que proporcionou a formação, entre os seus descendentes, de líderes de tamanho destaque.

Dom Aloísio Lorscheider, bispo de Aparecida do Norte, foi primo de Dom Ivo e seus pais eram naturais do Vale do Caí.

Dom Pedro Scherer, cardeal arcebispo São Paulo, é natural de Cerro Largo, mas sua famila tem origens na região.

* Texto escrito em 18 de agosto de 2009.

Deixe seu comentário