Roberto Cardona e Antoninho Silva na Festa da Bergamota

Como prefeito, Roberto Cardona teve uma atuação consagradora. Deu especial atenção à Educação e Cultura. Desenvolveu a Biblioteca Pública Municipal, fundou o Museu Literário, depositário de valiosos documentos sobre Montenegro, fundou o Coral Municipal Ênio Freitas de Castro, reabriu o Conservatório de Música de Montenegro, criado em 1910, e que estava desativado. A partir desta iniciativa, desenvolveu-se a Fundarte, que hoje é um orgulho do município e faz Montenegro ser conhecida como cidade das artes.

A sede e o interior foram beneficiados pela construção de novos prédios escolares e com a ampliação de outros, além da criação de uma nova escola estadual de 2º grau. A seu pedido, na Vila 5 de Maio, foram construídas, pela então COHAB, 172 casas populares.

Criou a Secretaria Municipal de Planejamento com a finalidade de elaborar e coordenar o Plano Global do Município. Atraiu novas e importantes empresas para Montenegro, como a Antarctica, a Pepsi, a Haupt e a Cavan, que geraram milhares de empregos.

Asfaltou diversas ruas da zona urbana e implantou novo sistema de iluminação a mercúrio nas principais ruas da cidade e fluorescentes em ruas mais afastadas e vilas populares. Estendeu a rede de energia elétrica a todo o município. Em convênio com a CORSAN dobrou a capacidade de distribuição de água. Com o que 90% da população urbana passou a ser beneficiada com água tratada. Estradas foram restauradas e pontes construídas. Com a Secretaria de Obras Públicas do Estado realizou o recapeamento do trecho da estrada Rincão do Cascalho/Montenegro, principal via de ligação a Porto Alegre.

Em sua administração foi inaugurada a nova Central Telefônica pelo sistema de discagem direta e instalada a Caixa Econômica Estadual. Criou a Cooperativa dos funcionários Municipais e o CEAM – Conselho de Entidades Assistenciais de Montenegro – com o objetivo de conjugar todas as entidades do município.

Na gestão de Roberto Atayde Cardona comemorou-se o Centenário de Emancipação Política de Montenegro ( 1873-1973) com uma Feira Agro-Industrial, instalada no Parque Centenário, que foi então inaugurado. Naquela ocasião, a convite do Governo Municipal, Montenegro recebeu a visita do Presidente da República, General Emílio Garrastazu Médici, único Presidente do Brasil que veio a Montenegro.

Com todas estas realizações, Montenegro teve um grande impulso de progresso e a boa administração municipal credenciou Roberto Atayde Cardona a candidatar-se a deputado estadual. Elegeu-se pela primeira vez em 1977, exercendo seu primeiro mandato entre os anos de 1978 e 1981 e conseguiu a sua reeleição para mais um mandato, de 1982 a 1986.

Foi um deputado de grande destaque, tendo exercido os papéis de líder da bancada e de líder do governo. Cargos que o colocaram entre os mais destacados políticos gaúchos daquela época. Recebeu vários prêmios, inclusive o Prêmio Springer por um Rio Grande Maior.

Teve importante papel na criação do Polo Petroquímico de Triunfo e influiu para que uma grande área destinada à instalação de empresas ligadas à petroquímica (terceira geração) fosse implantada no município de Montenegro. Nesta área, de 800 hectares, hoje se encontram implantadas empresas de grande porte, como a John Deere, a Masisa, a Hexion, a Beppo e a Polo Films.

Como deputado, Roberto Cardona usou o seu excelente trânsito junto ao governo estadual para conseguir inúmeros benefícios para Montenegro e os demais municípios do Vale do Caí.

Incluem-se aí a obtenção de verbas para apoio a obras municipais, a instalação de centrais de telefonia automática (DDD), implantação de redes de energia elétrica e de água tratada, implantação de escolas estaduais de primeiro e segundo grau.

Ele trabalhou, também pelo asfaltamento da estrada que liga Montenegro ao Polo Petroquímico e a que liga Montenegro a Brochier e Maratá.

Apesar do destaque na sua atuação como deputado, porém, Cardona não conseguiu eleger-se para o terceiro mandato. Nas eleições legislativas de 1986, diversos fatores se conjugaram para impedir que ele conseguisse os votos necessários para reeleger-se. Ocorreu o fenômeno da eleição de Sérgio Zambiasi, com 365.381 votos, que garantiu a eleição de vários deputados para o PTB e diminuiu o número de deputados eleitos pelos demais partidos. Além disto, o eleitorado montenegrino ficou dividido, pela existência de uma outra candidatura local e, por fim, a necessidade de dedicar-se aos compromissos como líder de bancada e líder do governo fez com que ele não dispusesse de tanto tempo para dedicar às visitas e atenções à sua base eleitoral.

De 1986 a 1990, Roberto Atayde Cardona atuou como assessor legislativo do líder da bancada do PDS na Assembléia Legislativa.

Falecimento

Infelizmente, os benefícios que a região teria a receber em conseqüência do trabalho de Roberto Cardona foram diminuídos pelo fato dele haver morrido prematuramente.

Em 1976, quando tinha 41 anos e exercia o mandato de prefeito, Cardona teve o seu primeiro infarto. Resistiu e viveu mais 14 anos. Quando tinha 53 anos o seu estado se agravou e ele teve de submeter-se a uma cirurgia para implante de pontes de safena. No verão de 1990, no dia 13 de janeiro, quando estava sendo preparada a sua candidatura visando a conquista do terceiro mandato de deputado estadual, ocorreu o seu falecimento.

Ele estava na praia de Imbé, com a família, quando sofreu mais um ataque cardíaco que, desta vez, foi mortal. Ele tinha apenas 55 anos de vida.

Montenegro e o Vale do Caí perderam, assim, um dos seus maiores lideres e grande incentivador do desenvolvimento. Um homem que pensava grande, enxergava o futuro e teve a capacidade de realizar muito daquilo que idealizou. Sua morte prematura foi uma grande perda para a região.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here