Dom Cláudio Colling, natural de Harmonia, tornou-se arcebispo metropolitano em 1981 Arquivo/FN

O primeiro bispo residente no Rio Grande do Sul foi Dom Feliciano José Rodrigues de Araújo Prates, que era baiano, foi padre na cidade de Cachoeira, e chegou a Porto Alegre em 29 de junho de 1855. Ele faleceu em 27 de maio de 1858. Com isto o Bispado de Porto Alegre ficou vago por três anos, até a chegada de Dom Sebastião Dias Laranjeiras, que também era baiano. O mesmo que foi responsável pela indicação de São Sebastião como santo padroeiro da nascente localidade de São Sebastião do Caí. Depois dele houve ainda Dom Cláudio José Ponce de Leão, outro baiano, nascido em Salvador, que chegou a Porto Alegre em 20 de setembro de 1890 e tornou-se o primeiro Arcebispo, já que com a sua chegada foi criada a Arquidiocese de Porto Alegre. Pode se notar por esta seqüência de bispos baianos no início da história eclesiástica do estado que a Bahia era um celeiro de vocações sacerdotais. Sobravam lá os padres com boa formação que tanto faltavam por aqui. Não é de admirar-se, pois a Bahia já era uma província rica – foi capital do Brasil colônia – quando o Rio Grande era habitado apenas por indígenas e por alguns padres jesuítas espanhóis. Na Bahia viveu um dos mais notáveis jesuítas brasileiros – o padre Antônio Vieira – que foi um grande intelectual. Ele também lecionou e, portanto, formou os seus discípulos.

É notável considerar que em muito pouco tempo a grave carência de bons sacerdotes gaúchos foi superada e, no século XX, o estado passou a ser um grande celeiro de vocações sacerdotais, passando a suprir a igreja brasileira com notáveis autoridades eclesiásticas. Este fenômeno foi motivado pela imigração alemã e o seu fulcro central ocorreu no Vale do Caí. Desta região saíram os primeiros bispos gaúchos.

O quarto bispo gaúcho, primeiro formado no Rio Grande do Sul, foi Dom João Becker. Ele nasceu na Alemanha, na cidade de São Vendelino (Sankt Wendel), em 24 de fevereiro de 1870. Quando tinha oito anos sua família imigrou para o Brasil. Ele estudou no Colégio Nossa Senhora da Conceição, dos padres jesuítas, em São Leopoldo. Em 1888 seu pai, também chamado João Becker, assumiu o cargo de primeiro professor da escola paroquial de Harmonia. Dom João Becker assumiu a arquidiocese em 1912 e exerceu um longo mandato, vindo a falecer em 1946. Sucedeu-o, Dom Vicente Scherer, no mesmo ano de 1946, e Dom Cláudio Colling, em 1981, todos nascidos no estado e de origem alemã. Dom Vicente, em Santa Terezinha, Bom Princípio, e Dom Cláudio, em Harmonia. Depois destes três bispos de origem germânica, o arcebispado foi exercido por Dom Altamiro Rossatto, que assumiu em 1991 e era natural de Tuparendi, cidade do noroeste do estado. E quem o sucedeu foi outro bispo nascido no Vale do Caí: Dom Dadeus Grings, de origem alemã, nascido em Nova Petrópolis, que exerce a função desde o ano 2000.

Deixe seu comentário