Tropeiros oriundos de Laguna (Santa Catarina) realizaram grande expedição visando conhecer e depois povoar o território do Rio Grande do Sul Reprodução/Internet

Portugal sempre ambicionou estender seus domínios para o sul, além do que estabelecia o tratado de Tordesilhas. Chegou ao ponto de criar uma vila chamada Colônia do Sacramento em pleno Rio da Prata, em frente a Buenos Aires. Constantemente atacada pelos espanhóis e várias vezes conquistada por estes, a Colônia de Sacramento sempre voltou ao domínio português até que, em 1777 caiu definitivamente em poder dos espanhóis. Nesta ocasião foi firmado um acordo pelo qual Portugal entregava a Colônia e, em troca, a Espanha reconhecia o direito dos português ao território do Rio Grande, inclusive os Sete Povos das Missões.

Os povos jesuíticos haviam se desenvolvido tanto que os espanhóis temiam que ele se transformasse num país independente. Isto deve ter influído para que o governo espanhol concordasse em entregar os povos dos jesuítas em troca da Colônia de Sacramento.
Mas a entrega do Rio Grande aos portugueses foi aceita pelos espanhóis também pelo fato concreto de que uma parte considerável do território hoje compreendido pelo estado já estava sendo ocupada por colonos lusos. Uma ocupação que ocorreu a partir da vila de Laguna, situada no sul de Santa Catarina.

Laguna foi fundada pelo comerciante Domingos de Britto Peixoto que, no ano de 1684, mudou-se da cidade de Santos para aquela lugar até então desabitado. Ele ali se estabeleceu com a família, parentes, amigos e escravos e passou a produzir e exportar carne salgada, legumes e peixe seco para o Rio de Janeiro e a Bahia. Alguns anos depois Francisco de Britto Peixoto, que era filho de Domingos, começou a fazer expedições pelo território rio-grandense e ele verificou que haviam grandes possibilidades de exploração econômica no mesmo. Além do gado trazido pelos jesuítas – que havia se multiplicado e perambulava solto, em grandes manadas, pastando pelos campos intermináveis – os lagunistas se interessaram também pelos ervais plantados pelos índios sob a orientação dos padres catequizadores.

Em razão disto, foi organizada uma grande expedição de lagunistas composta por 31 homens, organizada por Domingos de Britto Peixoto e comandada por seu genro João Magalhães. Depois desta primeira investida, outros lagunistas foram se estabelecer no Rio Grande do Sul fundando estâncias de criação de gado e iniciando a ocupação definitiva do território.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário
Please enter your name here