Linha Nova foi um dos primeiros povoados da colonização alemã no Vale do Caí Lampaproduções/FN

A colonização alemã no Vale do Caí não começou pelas terras situadas próximas ao rio Caí. Antes de chegar às margens do rio Caí, a colonização foi feita em terras banhadas pelo arroio Cadeia. Isto porque este arroio e as terras da sua redondeza ficam mais próximos de São Leopoldo. E foi nesta cidade que começou a colonização alemã no Rio Grande do Sul.

Os primeiros colonos que chegaram ao Rio Grande do Sul, a partir de 1824, ganharam terras próximas à atual cidade de São Leopoldo. E só aos poucos, na medida em que novos colonos iam chegando, o governo lhes foi destinando terras em locais um pouco mais distantes. Já no ano de 1827 os primeiros colonos estavam se estabelecendo no local onde hoje se situa hoje a cidade de São José do Hortêncio. Mais ou menos por esta época, eram colonizadas também localidades como Ivoti e Dois Irmãos.

No seus primeiros anos, a nova colônia foi conhecida como Picada dos Portugueses ou Picada do Rio Cadeia. Mais tarde foi aberta pelo governo uma nova picada, ao lado da de Hortêncio, mais para leste. E a esta foi dado o nome de Linha Nova. A linha, no caso, era definida por um topógrafo e servia de referência para a demarcação das terras que seriam entregues a cada colono. Ao longo desta linha era aberta uma picada (caminho estreito, aberto no meio do mato), razão pela qual as duas expressões se tornam quase sinônimas na linguagem antiga da região. Ao contrário da Linha Hortêncio, que estava totalmente situada à margem direita do arroio Cadeia, a Linha Nova tinha lotes nas duas margens do mesmo arroio. As terras da Linha Nova foram demarcadas a partir da já existente Picada 48 (atual município de Lindolfo Collor).

A Alta e a Baixa

A Linha Nova Baixa, por ser mais próxima de São Leopoldo, foi a primeira a ser repartida em lotes e entregue aos colonos. Isto aconteceu ainda durante a Revolução Farroupilha, que transcorreu entre os anos de 1835 e 1845. A colonização de Linha Nova Alta ocorreu apenas em 1847.

Segundo Carlos Henrique Hunsche, grande historiador da imigração alemã e fonte principal para este trabalho, a Linha Nova Baixa foi povoada principalmente por colonos católicos. Já os povoadores da Linha Nova Alta eram quase todos protestantes. Na Linha Nova Baixa instalaram-se colonos que, na sua maioria, eram provenientes de áreas de colonização mais antigas, como Estância Velha, Feitoria, Dois Irmãos e Bom Jardim (hoje Ivoti). Na medida em que os jovens destas primeiras colônias iam se tornando adultos e constituindo famílias precisavam ganhar novas terras para delas tirar o sustento familiar. E eram eles, basicamente, que se dirigiam para novas áreas de colonização como foi a Linha Nova Baixa por volta do ano de 1840.

Com o término da Revolução Farroupilha, em 1845, houve uma retomada da imigração alemã que havia praticamente parado com o início da revolta. Estes novos imigrantes vieram principalmente do Hunsrück e do Palatinado. No ano de 1850 já haviam 82 lotes ocupados em Linha Nova nos quais viviam 527 pessoas.

Com a chegada a Linha Nova Alta de imigrantes vindos diretamente da Alemanha observou-se logo um grande desenvolvimento desta localidade. Maior do que o observado em Linha Nova Baixa. Uma explicação para este fato pode ser dada da seguinte forma. Enquanto os jovens nascidos ou crescidos nas colônias velhas do Rio Grande do Sul (que foram os povoadores de Linha Nova Baixa) criaram-se no meio do mato, sem boa assistência educacional ou religiosa; aqueles que chegaram da Europa e foram se instalar em Linha Nova Alta tiveram muito melhor nível de educação na sua terra de origem. Além disto é bastante aceita a tese de que a religião protestante favorece mais o progresso econômico dos seus fiéis do que a católica. E a religião evangélica predominava entre os moradores de Linha Nova Alta, enquanto que a católica era majoritária na Linha Nova Baixa.

Deixe seu comentário